Escolha as suas informações

Três meses de guerra. Qual o ponto de situação na Ucrânia?
Mundo 5 min. 24.05.2022
Guerra na Ucrânia

Três meses de guerra. Qual o ponto de situação na Ucrânia?

Militares ucranianos preparam-se para avançar para a linha da frente num posto de controlo perto da cidade de Lysychansk, no Donbas, esta segunda-feira.
Guerra na Ucrânia

Três meses de guerra. Qual o ponto de situação na Ucrânia?

Militares ucranianos preparam-se para avançar para a linha da frente num posto de controlo perto da cidade de Lysychansk, no Donbas, esta segunda-feira.
Foto: Aris Messinis/AFP
Mundo 5 min. 24.05.2022
Guerra na Ucrânia

Três meses de guerra. Qual o ponto de situação na Ucrânia?

AFP
AFP
A guerra na Ucrânia entra esta terça-feira no seu quarto mês enquanto as tropas russas concentram a sua ofensiva no último reduto da resistência na região oriental de Donbass, em Lugansk.

Após terem afastado as forças russas das duas maiores cidades do país, a capital Kiev e Kharkiv em maio, os ucranianos têm vindo a reconhecer nos últimos dias as "dificuldades" no Donbass, formado pelas autoproclamadas repúblicas de Lugansk e Donetsk.

"As próximas semanas de guerra serão difíceis", advertiu o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky no seu discurso diário na televisão, na segunda-feira à noite.

"Os ocupantes russos estão a tentar mostrar que não irão abandonar as áreas ocupadas da região de Kharkiv (nordeste), que não irão entregar a região de Kherson (sul), os territórios ocupados da região de Zaporíjia (sudeste) e o Donbass (leste). Estão a avançar em alguns sítios e a reforçar as suas posições noutros", continuou.


Governo ucraniano admite que guerra contra Rússia não tem fim rápido à vista
"Estamos a testemunhar um momento de viragem estratégico a favor da Ucrânia. Este processo vai levar algum tempo”, disse o ministro da Defesa aludindo à demora na chegada das armas dos parceiros ocidentais ao país.

A situação é mesmo "extremamente difícil" no Donbass: os russos estão a tentar "eliminar tudo o que está vivo", acusou Zelensky.

Moscovo está a concentrar o seu poder de fogo precisamente no reduto ucraniano na região de Lugansk, tentando cercar as cidades de Severodonetsk e Lyssychansk. O Ministério da Defesa ucraniano também relatou fortes combates nas proximidades, perto das cidades de Popasna e Bakhmut, o que salienta a existência de uma estratégia de cerco.

Cidade no Donetsk torna evacuações obrigatórias

A queda de Bakhmut, em Donetsk, daria aos russos o controlo de um cruzamento crucial que atualmente serve de centro de comando improvisado para grande parte do esforço de guerra ucraniano.

Em todo o caso, os residentes estão relutantes em fugir, apesar dos riscos: "As pessoas não querem partir", lamenta o vice-presidente da câmara de Bakhmut, Maxim Soutkovyi, diante de um autocarro meio vazio pronto para levar os civis para um território mais seguro.

"Chegámos a um ponto em que estamos a tornar as evacuações obrigatórias", diz o chefe da administração militar de Bakhmut, Sergei Kalian.


Imagens de Irpin, na Ucrânia
ONU confirma 3.381 civis mortos e 3.680 feridos na Ucrânia
O organismo sublinha que a maioria das vítimas civis morreu ou sofreu ferimentos devido ao uso de explosivos. A ONU teme que os números de vítimas da guerra na Ucrânia aumentem consideravelmente quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Contudo, "o inimigo melhorou a sua posição tática no território de Vasylivka", escreveu o estado-maior do exército ucraniano no Facebook na manhã desta terça-feira, que assegura que "a maior atividade hostil" é observada "perto de Lyssychansk e Severodonetsk".

Segundo Kalian, os russos pretendem "cercar as cidades de Lyssychansk e Severodonetsk, com posterior acesso à fronteira administrativa da região de Lugansk" para completar a sua tomada de controlo.

Severodonetsk está a ser bombardeada "24 horas por dia" pelos russos, que "usam táticas de terra queimada e estão deliberadamente a destruir a cidade", avisou no domingo o governador ucraniano de Lugansk, Sergei Gaidai.

O destino de Severodonetsk faz lembrar Mariupol, a grande cidade portuária do sudeste que foi quase completamente destruída após várias semanas de cerco.

Uma franja meridional desta bacia carbonífera é constituída desde 2014 por duas repúblicas separatistas pró-russas, e foi para as defender de um alegado "genocídio" que o presidente russo Vladimir Putin anunciou uma "operação militar especial" a 24 de fevereiro, poucos dias após o reconhecimento da independência destas autoproclamadas repúblicas, que estão dentro de fronteiras que cobrem toda a região de Donbass.

Vinte países vão enviar mais armas a Kiev

A frente sul parece estável, embora os ucranianos estejam a reclamar ganhos. O comando sul informou na segunda-feira à noite que as suas divisões estavam a "avançar" "através da região de Mykolaiv em direção à região de Kherson", onde o rublo russo foi introduzido, acusando os "ocupantes" russos de matar civis que tentavam fugir de carro, com estradas minadas, bombas e execuções.


Refugiadas ucranianas chegam de autocarro a Saint-Pierre-de-Chandieu, em França, em março de 2022.
Guerra impulsiona recorde de deslocados para 100 milhões de pessoas
Número "gritante" é equivalente ao dos habitantes do 14º país mais populoso do mundo, alertam as Nações Unidas.

Enquanto Moscovo aumenta a pressão no Donbass, Kiev insiste no fornecimento de armas, e está a receber apoio dos países ocidentais a este respeito.

Numa reunião virtual do "Grupo de Contacto para a Defesa da Ucrânia", 44 países discutiram na segunda-feira a assistência militar à Ucrânia. Vinte deles comprometeram-se a ceder armas adicionais a Kiev, e outros irão treinar o exército ucraniano, anunciou o secretário de Defesa dos EUA.

Lloyd Austin recusou-se, no entanto, a especificar as armas fornecidas pelos EUA após o Congresso ter aprovado uma ajuda adicional de 40 mil milhões de dólares à Ucrânia.

Mas entre o equipamento ocidental está o sistema de mísseis antinavio Harpoon, prometido pela Dinamarca, que poderia permitir à Ucrânia contrariar o bloqueio da marinha russa ao porto de Odessa, vital para as exportações de trigo do país, que, por sua vez, são vitais para muitos outros países. Os mísseis podem mesmo chegar à Crimeia, que Moscovo ocupa desde 2014.

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksiy Reznikov, disse que "espera poder apresentar os resultados da utilização" das armas prometidas na segunda-feira, "que deverá mudar a situação no campo de batalha".

Mais de 6,5 milhões de pessoas fugiram da Ucrânia

Em três meses, milhares de pessoas, tanto civis como soldados, morreram, mas não há números precisos. Só na cidade de Mariupol, contudo, as autoridades ucranianas falam em 20 mil mortos.

Em termos militares, o Ministério da Defesa ucraniano estima as perdas russas em mais de 29.200 homens, 204 aviões e quase 1.300 tanques desde o início da invasão a 24 de fevereiro. O Kremlin, por seu lado, admitiu "perdas significativas".


Refugiados da Ucrânia caminham numa estrada após atravessarem o posto de controlo da fronteira com a Moldávia perto da cidade de Palanca.
Mais de seis milhões de ucranianos fugiram do país
A Polónia abriga de longe o maior número de refugiados. Eram 3.272.943 ucranianos em 11 de maio.

Fontes ocidentais dizem que cerca de 12 mil soldados russos foram mortos, enquanto que uma fonte militar francesa confirmou à AFP um número estimado de cerca de 15 mil. Estas perdas em três meses são próximas das registadas em nove anos pelo exército soviético no Afeganistão, disse o Ministério da Defesa britânico. A Ucrânia não deu qualquer indicação das suas próprias perdas militares.

A guerra também virou a demografia do país do avesso: mais de oito milhões de ucranianos foram deslocados internamente, de acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Outros 6,5 milhões fugiram para o estrangeiro, mais de metade dos quais - 3,4 milhões - para a Polónia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas