Escolha as suas informações

Timor-Leste/Eleições: Xanana Gusmão confiante na maioria absoluta do CNRT
Xanana Gusmão

Timor-Leste/Eleições: Xanana Gusmão confiante na maioria absoluta do CNRT

Foto: Arquivo LW
Xanana Gusmão
Mundo 2 min. 09.07.2017

Timor-Leste/Eleições: Xanana Gusmão confiante na maioria absoluta do CNRT

O líder histórico timorense Xanana Gusmão mostrou-se hoje convicto que o partido que lidera, o CNRT, terá maioria absoluta nas eleições legislativas de 22 de julho, admitindo ter pressão para assumir o cargo de primeiro-ministro no próximo executivo.

O líder histórico timorense Xanana Gusmão mostrou-se hoje convicto que o partido que lidera, o CNRT, terá maioria absoluta nas eleições legislativas de 22 de julho, admitindo ter pressão para assumir o cargo de primeiro-ministro no próximo executivo.

"Depois de três governos em duas legislaturas, o CNRT desde o congresso - e esta mensagem foi dada e está a ser recebida - pretende maioria absoluta no parlamento e um governo de um partido", disse em entrevista à Lusa à margem de um comício do Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) em Manatuto, 65 quilómetros leste de Díli.

"A formação do Governo é posterior a uma conferência do partido depois das eleições. Não posso dizer quem vão ser os membros do Governo. Estão-me a exigir (que seja primeiro-ministro). Em muitos comícios os que não são do CNRT dizem: eu vou dar o meu voto ao CNRT mas queremos-te primeiro-ministro", referiu.

Recorde-se que Xanana Gusmão assumiu, depois das eleições de 2012, o cargo de primeiro-ministro do V Governo constitucional, demitindo-se do cargo em janeiro de 2015, ficando como ministro do Planeamento e Investimento Estratégico num executivo liderado por Rui Maria de Araújo, militante da Fretilin.

Apesar da idade - Xanana Gusmão cumpriu 71 anos -, o líder timorense participou nos 17 comícios (entre eles o de hoje) já realizados desde o arranque da campanha, que começou a 19 de junho.

"Percebemos que a apresentação do programa era fundamental para o partido. Desde o início compreendemos que o povo assumiu isso, assumiu a questão de separar promessas de compromissos. É isto que me guiou e me motivou para participar em todos os comícios", referiu.

O líder do CNRT refere o que diz ser uma crescente "maturidade e consciência política" e rejeita a ideia de que pouco tem sido feito no desenvolvimento do país.

"Estamos preparados para toda a crítica, mas o povo conseguiu compreender que um processo de construir a nação e o país não é um processo milagroso, é um processo que leva tempo. Política é política. Nós respeitamos tudo o que outros partidos dizem a nosso desfavor, como críticas, mas isto não nos abalou", afirmou.

E diz mesmo que, em cada comício - na segunda-feira parte para três dias no enclave de Oecusse-Ambeno - há muitos, inclusive afiliados a outros partidos que parecem agora querer apoiar o CNRT.

"Chegam e dizem: estive estes anos todos a perder os meus votos. Eu voto neste porque quero o desenvolvimento. É esta dinâmica na consciência política do nosso povo que está a dar-nos muita confiança. Cada dia, após cada comício sentimos que a responsabilidade é maior", considerou.

Sobre o futuro e a relação do CNRT com a Fretilin, Xanana Gusmão diz que os dois partidos continuam com "excelentes relações, de respeito" e garante que "não terão êxito" tentativas de outros partidos "de provocar distúrbios ou problemas entre os dois".

A campanha para as legislativas de 22 de julho decorre até 19 deste mês.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Legislativas: Espanha vai a votos este domingo
As assembleias de voto abriram em Espanha às 9h00 locais (mesma hora no Luxemburgo) para recolher os votos dos mais de 36,5 milhões de votantes que decidirão hoje nas eleições gerais a distribuição dos 350 lugares do Congresso dos Deputados e dos 208 do Senado.
Atenas: Partido conservador grego tem três dias para formar Governo
O presidente do partido conservador grego Nova Democracia, Vangelis Meimarakis, recebeu hoje o mandato para formar Governo do Presidente da República, Prokopis Pavlópulos, depois de o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, ter anunciado a demissão e proposto eleições antecipadas.
Vangelis Meimarakis é o homem que se segue a Alexis Tsipras?