Escolha as suas informações

Sociais-democratas, verdes e liberais assinam acordo do novo governo da Alemanha
Mundo 2 min. 07.12.2021 Do nosso arquivo online
Política

Sociais-democratas, verdes e liberais assinam acordo do novo governo da Alemanha

Olaf Scholz será o novo chanceler da Alemanha.
Política

Sociais-democratas, verdes e liberais assinam acordo do novo governo da Alemanha

Olaf Scholz será o novo chanceler da Alemanha.
AFP
Mundo 2 min. 07.12.2021 Do nosso arquivo online
Política

Sociais-democratas, verdes e liberais assinam acordo do novo governo da Alemanha

Lusa
Lusa
Olaf Shcolz (SPD), 63 anos, vai suceder à democrata-cristã Angela Merkel, que liderou o executivo alemão nos últimos 16 anos.

Os partidos SPD, Verdes e Liberais assinaram, esta terça-feira, em Berlim, o acordo de coligação que permitirá ao social-democrata Olaf Scholz ser investido na quarta-feira como o nono chanceler da Alemanha em 72 anos.

As negociações produziram “muito bons resultados, que nos ajudarão a organizar o progresso neste país, e é por isso que é bom que hoje possamos assinar o acordo de coligação para a formação deste governo", disse Scholz, citado pela agência de notícias espanhola EFE.

"Se a boa cooperação que funcionou enquanto estávamos a formar o governo continuar a funcionar, será um momento muito, muito bom para as tarefas que temos pela frente", acrescentou, segundo a agência de notícias Associated Press (AP).


O novo ministro da Saúde, Karl Lauterbach (ao centro), com o futuro chanceler da Alemanha, Olaf Scholz (à esquerda), e a nova ministra do Interior Nancy Faeser (à direita).
Novo chanceler da Alemanha escolhe epidemiologista para ministro da Saúde
Karl Lauterbach é o novo ministro da Saúde, a pasta que faltava preencher na distribuição de cargos do governo de coligação com Verdes e liberais.

Olaf Shcolz, 63 anos, vai suceder à democrata-cristã Angela Merkel, que liderou o executivo alemão nos últimos 16 anos.

O acordo de coligação "Ousar mais progresso", de 177 páginas, foi assinado no Museu Futurium de Berlim.

Os esforços para travar as alterações climáticas são uma prioridade máxima para o novo governo, particularmente para os Verdes.

Outras prioridades incluem a modernização da maior economia da Europa e a introdução de políticas sociais mais liberais.

No imediato, o novo governo enfrenta a tarefa de lidar com a pandemia de covid-19, como reconheceu Olaf Schulz.

A pandemia "vai exigir toda a nossa força e energia", afirmou o futuro chanceler, nomeado pelo Partido Social Democrata da Alemanha (SPD, na sigla em alemão).

O copresidente dos Verdes e futuro ministro da Economia e do Clima, Robert Habeck, salientou que os três partidos formaram "um governo para o povo na Alemanha", embora sejam "reconhecíveis nas suas diferenças".

Além da pandemia, Habeck salientou como objetivo fundamental combinar "neutralidade climática e prosperidade" na nação industrial líder da Europa e quarta maior economia do mundo.


Annalena Baerbock. Primeira mulher com a pasta dos Negócios Estrangeiros na Alemanha
Ecologista que foi a candidata Verde à chefia do governo nas últimas legislativas, vai assumir as suas funções no início de dezembro, no quadro da coligação governamental com os social-democratas e os liberais, para abrir a era pós-Angela Merkel no país.

A copresidente dos Verdes e ministra dos Negócios Estrangeiros designada, Annalena Baerbock, disse que cabe aos três partidos concretizar o acordo de coligação com "perspetiva, pragmatismo e, sobretudo, com muita paixão", segundo a EFE.

O novo ministro das Finanças e líder dos liberais do FDP, Christian Lindner, salientou que o novo governo quer começar a “trabalhar no progresso” já a partir desta semana.

Mas "não temos ilusões, enfrentamos grandes desafios", acrescentou, citado pela AP.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Salário mínimo de 12 euros por hora, planos para legalizar a venda regulamentada de canábis, possibilidade de votar a partir dos 16 anos e o objetivo de construir 400 mil novos apartamentos por ano para combater a crise habitacional são algumas das intenções da nova coligação.
Eleições na Alemanha
Após 16 anos de reinado de Merkel, a Alemanha acordou esta segunda-feira vulnerável, dividida. E confusa. Os alemães distribuíram os votos por todo o espectro político numa tentativa de eleger aquele que será o próximo governo da República Federal. As negociações pós eleitorais prometem ser duras e demoradas.
O presidente do Partido Social-Democrata (SPD) alemão, Martin Schulz, anunciou hoje que deixará em breve o cargo, algumas horas depois de ter sido divulgado um acordo de coligação com os conservadores de Angela Merkel para um futuro governo.