Escolha as suas informações

Secretário-geral da NATO diz que todos os aliados apoiaram ataques na Síria
Mundo 14.04.2018 Do nosso arquivo online

Secretário-geral da NATO diz que todos os aliados apoiaram ataques na Síria

Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que todos os 29 membros da Aliança apoiaram os ataques

Secretário-geral da NATO diz que todos os aliados apoiaram ataques na Síria

Secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que todos os 29 membros da Aliança apoiaram os ataques
Foto: AFP
Mundo 14.04.2018 Do nosso arquivo online

Secretário-geral da NATO diz que todos os aliados apoiaram ataques na Síria

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que todos os 29 membros da Aliança apoiaram os ataques dos EUA, Reino Unido e França na Síria, na reunião do Conselho do Atlântico Norte que se realizou hoje em Bruxelas.

Na reunião, os três países informaram os aliados de que "a sua ação militar foi limitada às instalações que permitem a produção e emprego de armas químicas” e que a intervenção foi "muito bem sucedida", afirmou o secretário-geral da Aliança Atlântica num comunicado.

EUA, Reino Unido e França “salientaram que não havia alternativa possível ao uso da força”, acrescentou.

“Os aliados manifestaram pleno apoio à ação destinada a danificar a capacidade química do regime e a impedir futuros ataques químicos contra o povo da Síria”.

Os EUA, a França e o Reino Unido realizaram hoje uma série de ataques com mísseis contra três alvos associados à produção e armazenamento de armas químicas na Síria.

O ataque foi uma retaliação pelo alegado ataque com armas químicas lançado pelo regime sírio a 07 de abril contra a cidade rebelde de Douma, em Ghouta Oriental, nos arredores de Damasco, no qual morreram pelo menos 40 pessoas.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A situação na Síria já era o assunto em destaque na agenda dos chefes de diplomacia da UE, mas ganhou naturalmente ainda mais relevância depois de, no passado sábado, Estados Unidos, França e Reino Unido terem realizado uma série de ataques com mísseis contra alvos associados à produção de armamento químico na Síria, em resposta a um alegado ataque com armas químicas na cidade de Douma, Ghouta Oriental, por parte do governo de Bashar al-Assad.