Escolha as suas informações

Secretário-geral da NATO diz que Kiev "pode ganhar" a guerra
Mundo 15.05.2022
Guerra na Ucrânia

Secretário-geral da NATO diz que Kiev "pode ganhar" a guerra

Guerra na Ucrânia

Secretário-geral da NATO diz que Kiev "pode ganhar" a guerra

AFP
Mundo 15.05.2022
Guerra na Ucrânia

Secretário-geral da NATO diz que Kiev "pode ganhar" a guerra

Lusa
Lusa
Para Jens Stoltenberg, a principal ofensiva russa, na região oriental de Donbass, “está em ponto morto” e a Rússia “não está a atingir os seus objetivos estratégicos”.

 O secretário-geral da NATO defendeu hoje que a Ucrânia “pode ganhar” a guerra contra a Rússia e avisou que a candidatura da Finlândia e da Suécia à Aliança prova que “uma agressão não compensa”.

Para Jens Stoltenberg, que falava à margem de uma reunião informal de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO em Berlim, a principal ofensiva russa, na região oriental de Donbass, “está em ponto morto” e a Rússia “não está a atingir os seus objetivos estratégicos”.


Governo ucraniano admite que guerra contra Rússia não tem fim rápido à vista
"Estamos a testemunhar um momento de viragem estratégico a favor da Ucrânia. Este processo vai levar algum tempo”, disse o ministro da Defesa aludindo à demora na chegada das armas dos parceiros ocidentais ao país.

Por isso, o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) mostrou-se confiante de que Kiev "pode ganhar" a guerra.

Sobre a candidatura anunciada da Finlândia e da Suécia à Aliança Atlântica, Stoltenberg disse que a entrada dos dois países seria “um momento histórico”.

“Reforçaria a segurança comum e demonstraria que a porta da NATO está aberta e que uma agressão não compensa”, afirmou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O país nórdico anunciou este domingo a apresentação da sua candidatura à aliança atlântica. Na terça-feira, antes de anunciar formalmente o pedido de adesão à aliança, o presidente finlandês falou com o homólogo russo Vladimir Putin para o informar da candidatura do seu país.
O presidente Sauli Niinistö e a primeira-ministra Sanna Marin (esquerda)