Escolha as suas informações

Salvini quer suceder a Jean-Claude Juncker e mandar na Europa
Mundo 18.10.2018 Do nosso arquivo online

Salvini quer suceder a Jean-Claude Juncker e mandar na Europa

Salvini quer suceder a Jean-Claude Juncker e mandar na Europa

Fotografia: AFP
Mundo 18.10.2018 Do nosso arquivo online

Salvini quer suceder a Jean-Claude Juncker e mandar na Europa

“É verdade. Amigos de diferentes países europeus já pediram que me proponha [para líder da Comissão Europeias]”, disse o líder da extrema-direita italiana em entrevista publicada hoje ao jornal La Repubblica.

 Matteo Salvini, líder da extrema-direita italiana disse esta quinta-feira que deverá ser candidato à presidência da Comissão Europeia caso se verifique a vitória de “uma coligação soberanista” nas próximas eleições europeias.

“É verdade. Amigos de diferentes países europeus já pediram que me proponha”, disse Salvini em entrevista publicada hoje ao jornal La Repubblica.

“É um privilégio que eles vejam em mim um ponto de referência para a defesa dos povos, mesmo fora de Itália”, acrescentou.

“Neste momento, com o orçamento, a Europa e os imigrantes, ainda não tive tempo para avaliar a proposta. Ainda falta muito para o mês de maio. Vamos ver. Vou refletir”, disse ainda o aliado italiano de Marine Le Pen, a dirigente da extrema-direita francesa.

Salvini, 45 anos, é desde 2013 dirigente da Liga do Norte, um partido nacionalista, tendo-se aliado ao Movimento Cinco Estrelas para governar a Itália, desde as eleições legislativas do passado mês de março.

O presidente da Comissão Europeia é nomeado por indicação dos chefes de Estado e de governo, mas sob proposta do partido ou grupo maioritário no Parlamento Europeu.

Na entrevista publicada hoje, Salvini ataca mais uma vez a Comissão Europeia e o presidente Jean Claude-Juncker por causa das críticas de Bruxelas contra o Orçamento do Estado italiano.

“Nós temos responsabilidades perante os 60 milhões de italianos e não perante eles (Comissão Europeia). O orçamento não vai mudar nenhuma vírgula. Eles não se podem permitir a enviar uma ‘troika’ ou comissários. Parem e deixem trabalhar o governo dos italianos”, ameaçou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Salvini aumenta pressão sobre governo italiano
“Como num casamento, se se passa mais tempo a discutir e a trocar insultos do que a fazer amor, o melhor é olhar nos olhos e tomar uma decisão adulta”, afirmou Salvini, acrescentando que as decisões poderiam ser tomadas “nas próximas horas”.
FMI ameaça o governo italiano
“Quando se pertence a um clube e se decide ficar lá, é preciso respeitar as regras do clube", avisou Christine Lagarde, à margem da assembleia anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, que decorre até domingo, em Bali, na Indonésia.
Itália em combate com a Comissão Europeia
As previsões do défice da terceira maior economia da zona euro estão na base do desentendimento. As consequências não tardaram: os mercados estão em queda e os juros da dívida italiana a subir.
Juncker e Salvini travam um combate de palavras sobre a situação italiana.