Escolha as suas informações

Síria: Bashar garante que regime sírio não tem armas químicas
Mundo 13.04.2017

Síria: Bashar garante que regime sírio não tem armas químicas

O Presidente da Síria, Bashar al-Assad

Síria: Bashar garante que regime sírio não tem armas químicas

O Presidente da Síria, Bashar al-Assad
REUTERS
Mundo 13.04.2017

Síria: Bashar garante que regime sírio não tem armas químicas

O presidente sírio, Bashar al-Assad, garantiu hoje que não tem armas químicas e que a acusação de ter usado esse tipo de armamento recentemente é uma “fabricação” dos Estados Unidos, exigindo por isso uma investigação imparcial.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, garantiu hoje que não tem armas químicas e que a acusação de ter usado esse tipo de armamento recentemente é uma “fabricação” dos Estados Unidos, exigindo por isso uma investigação imparcial.

Em entrevista exclusiva à agência francesa France-Presse, Assad afirmou que não tem “armas químicas há vários anos (…), em 2013 todo esse arsenal foi entregue”.

“E mesmo se tivéssemos tais armas, nós nunca as teríamos usado", afirmou.

"A nossa impressão é que o Ocidente, principalmente os Estados Unidos, é cúmplice dos terroristas e montou toda esta história para servir de pretexto ao ataque" lançado por forças norte-americanas a 07 de abril contra uma base aérea síria, o primeiro ataque direto dos Estados Unidos contra o regime sírio desde o início do conflito, em 2011.

O ataque norte-americano foi uma resposta ao presumível ataque com armas químicas lançado a 04 de abril pelo regime sírio contra a localidade de Khan Sheikhun, na província de Idlib (noroeste), que fez mais de 80 mortos e centenas de feridos.

"O nosso poder de fogo, a nossa capacidade para atacar os terroristas não foi afetada por esse ataque", disse Assad à France-Presse.

Na quarta-feira, a Rússia vetou um projeto de resolução apresentado ao Conselho de Segurança da ONU pelos EUA, Reino Unido e França pedindo uma investigação ao ataque a Khan Sheikhun porque, segundo Moscovo, o texto aponta a responsabilidade pelo ataque a Damasco sem investigar nem apresentar provas.

Questionado pela France-Presse sobre o assunto, Assad afirmou que só aceitará "uma investigação imparcial", o que implica que "seja assegurada a participação de países imparciais para garantir que não é utilizada para fins políticos".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

EDITORIAL: Os senhores da guerra
Os EUA atacaram posições do regime de Bashar al-Assad na Síria, a primeira vez desde o início da guerra civil naquele país em 2011. Para muitos, isto indica o surgimento de um novo conflito que pode depressa degenerar e envolver as principais potências mundiais.
CORRECTION - A child waves to US forces patrolling the roads surrounding the northern Syrian city of Manbij on March 3, 2017.
US soldiers aboard Humvee armoured vehicles have been watching from a distance as two of their allies, Turkish-backed forces and a Kurd-Arab alliance, battle it out for control of Manbij in northern Syria. / AFP PHOTO / DELIL SOULEIMAN / ìThe erroneous mention[s] appearing in the metadata of this photo by DELIL SOULEIMAN has been modified in AFP systems in the following manner: [US forces] instead of [Manbij Military Council forces, part of the US-backed Syrian Democratic Forces (SDF)]. Please immediately remove the erroneous mention[s] from all your online services and delete it (them) from your servers. If you have been authorized by AFP to distribute it (them) to third parties, please ensure that the same actions are carried out by them. Failure to promptly comply with these instructions will entail liability on your part for any continued or post notification usage. Therefore we thank you very much for all your attention and prompt action. We are sorry for the inconvenience this notification may cause and remain at your disposal for any further information you may require.î