Escolha as suas informações

Russos chamam "teatro do absurdo" às sanções anunciadas pelos EUA

Russos chamam "teatro do absurdo" às sanções anunciadas pelos EUA

Foto: AFP
Mundo 09.08.2018

Russos chamam "teatro do absurdo" às sanções anunciadas pelos EUA

Porta-voz de Vladimir Putin afirmou que se trata de uma "violação das leis internacionais".

A Rússia considera que o anúncio de novas sanções por parte dos Estados Unidos, que devem entrar em vigor no próximo dia 22, é "uma absoluta deslealdade" e "uma violação da lei internacional", segundo afirmou Dmitry Peskov, porta-voz de Vladimir Putin, citado pelo diário The Guardian, ao mesmo tempo que diversos políticos se manifestavam favoráveis a contra-medidas por parte dos russos.

"O teatro do absurdo continua", escreveu Dmitry Polyanskiy, representante permanente da Rússia na ONU. "Nada de provas, nada de pistas, nada de lógico, ausência de presunção de inocência, apenas probabilidades muito altas. Só há uma regra: culpar a Rússia por tudo, não interessando se é absurdo ou falso".

Ontem, o Departamento de Estado norte-americano anunciou que novas sanções, como "restrições à exportação de produtos de tecnologia sensível", seriam aplicadas aos russos em virtude da tentativa de assassínio do ex-espião Sergei Skripal e da sua filha Yulia, no passado mês de março, na cidade inglesa de Salisbury.

O anúncio da medida foi ainda acompanhado pela indicação de que, caso os russos não corrijam a sua atitude nos 90 dias seguintes à entrada em vigor das sanções - e isso incluiria, por exemplo, a permissão de acesso a instalações científicas por parte de inspeções internacionais para que fosse verificado se estariam a produzir armas químicas e biológicas, numa violação às leis internacionais -, haverá um agravamento destas para um patamar de suspensão das relações diplomáticas ou proibição de aterragem para os aviões da Aeroflot nos aeroportos norte-americanos.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

EUA aplicam novas sanções à Rússia
Em causa está o caso da tentativa de assassínio do ex-espião, Sergei Skripal, e da sua filha Yulia no passado mês de março na cidade inglesa de Salisbury.