Escolha as suas informações

Rússia. Tiroteio em posto de recrutamento faz um ferido grave
Mundo 26.09.2022
Guerra na Ucrânia

Rússia. Tiroteio em posto de recrutamento faz um ferido grave

As autoridades russas têm detido centenas de cidadãos que se opõem à mobilização parcial decretada na semana passada.
Guerra na Ucrânia

Rússia. Tiroteio em posto de recrutamento faz um ferido grave

As autoridades russas têm detido centenas de cidadãos que se opõem à mobilização parcial decretada na semana passada.
Foto: AFP/Arquivo
Mundo 26.09.2022
Guerra na Ucrânia

Rússia. Tiroteio em posto de recrutamento faz um ferido grave

AFP
AFP
O incidente surge numa altura em que se multiplicam os protestos na Rússia contra a mobilização parcial ordenada a 21 de setembro por Vladimir Putin.

Um homem abriu fogo num centro de recrutamento do exército russo na Sibéria esta segunda-feira, ferindo gravemente um militar que lá trabalhava em plena mobilização parcial para combater na Ucrânia, disse um responsável. 


Homem russo aguarda com o passaporte alemão na fronteira com a Finlândia.
10 anos de prisão. Rússia aumenta penas por rendição ou recusa em combater
Putin decreta penas que podem ir até 10 anos de prisão para os soldados que desertem, que se rendam "sem autorização", que recusem combater ou que desobedeçam às ordens em período de mobilização. Os russos estão a fugir do fugir do país, enquanto podem.

"O comissário militar Alexander Yeliseyev está nos cuidados intensivos, em estado muito grave (...) O atirador foi imediatamente preso e será obrigatoriamente punido", disse o governador da região de Irkutsk no Telegram.

Igor Kobzev precisou que o tiroteio teve lugar no centro de recrutamento militar em Ust-Ilimsk, uma cidade industrial no meio da Sibéria, a 600 quilómetros a norte de Irkutsk.

Suspeito é residente de 25 anos

Numa declaração, o Comité de Investigação russo disse que o suspeito era um residente da cidade de 25 anos.

"Tenho vergonha que tal coisa aconteça numa altura em que, pelo contrário, deveríamos estar unidos, não lutando uns contra os outros, mas contra ameaças reais", acrescentou o governador.


Mais de 1.300 pessoas foram detidas por se manifestarem contra a guerra depois do anúncio de Putin
Russos incendeiam postos de recrutamento após mobilização parcial
A mobilização parcial anunciada esta quarta-feira tem estado na origem de manifestações em várias cidades da Rússia.

O incidente surge numa altura em que se multiplicam os protestos na Rússia contra a mobilização parcial ordenada a 21 de setembro por Vladimir Putin.

Segundo a ONG OVD-Info, mais de 2.300 pessoas foram presas desde o anúncio em ações contra a mobilização militar. Também foram relatadas saídas em grande escala de russos para países fronteiriços.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.