Escolha as suas informações

"Rússia dirige-se para uma invasão iminente" da Ucrânia, alertam EUA
Mundo 2 min. 17.02.2022 Do nosso arquivo online
Tensão

"Rússia dirige-se para uma invasão iminente" da Ucrânia, alertam EUA

Sergei Verchinin, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, e Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na ONU.
Tensão

"Rússia dirige-se para uma invasão iminente" da Ucrânia, alertam EUA

Sergei Verchinin, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, e Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na ONU.
Foto: AFP
Mundo 2 min. 17.02.2022 Do nosso arquivo online
Tensão

"Rússia dirige-se para uma invasão iminente" da Ucrânia, alertam EUA

AFP
AFP
A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, afirmou esta quinta-feira que "a Rússia está a caminho de uma invasão iminente" da Ucrânia, apesar dos recentes anúncios de retirada militar.

A diplomata revelou que pediu ao secretário de Estado Antony Blinken para participar numa reunião do Conselho de Segurança da ONU sobre a Ucrânia, que decorre esta quinta-feira em Nova Iorque, presidida pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergei Verchinin, e onde também estará presente o secretário-adjunto britânico responsável pela Europa, James Cleverly.

A caminho da conferência de segurança em Munique, no final desta semana, o secretário de Estado vai à ONU "para enviar uma mensagem ao mundo de que estamos a fazer tudo o que podemos para evitar a guerra", disse aos repórteres a embaixadora dos EUA.


O exército ucraniano acusou os combatentes separatistas de atacar a localidade de Stanytsia Luhanska, incluindo um jardim-de-infância.
Ucrânia e separatistas pró-russos trocam acusações após bombardeamento de jardim-de-infância
O exército ucraniano acusou os combatentes separatistas de atacar a localidade de Stanytsia Luhanska, incluindo um jardim-de-infância.

Num comunicado, o gabinete de Blinken já confirmou a presença do chefe da diplomacia norte-americana na reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, dizendo que pretende aí insistir nos "esforços em curso para pressionar a Rússia a desescalar e a escolher a vida da diplomacia".

Linda Thomas-Greenfield mostrou-se preocupada com os sinais de escalada de tensão no leste da Ucrânia e com movimentações de tropas russas junto da zona de fronteira, dizendo que "a Rússia está a caminho de uma invasão iminente", apesar dos anúncios de retirada militar. 


A Rússia, que nega quaisquer planos de invasão, anunciou na terça e quarta-feira a retirada de algumas das suas tropas.
Rússia anuncia nova retirada militar da Crimeia
A televisão estatal russa mostrou um comboio carregado de camiões militares a atravessar a ponte que liga a Crimeia ao território russo. EUA não estão convencidos.

"O nosso objetivo é transmitir a gravidade da situação", porque "este é um momento crucial", sublinhou. Antony Blinken irá "assinalar o nosso intenso empenho na diplomacia, oferecendo e sublinhando o caminho para a desescalada".

Os norte-americanos estavam preocupados na quarta-feira que a Rússia continuasse a escalar, ao mesmo tempo que afirmava ter desescalado, disse um alto funcionário do Departamento de Estado aos jornalistas.

Provocação pode justificar invasão russa

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, avisou esta quinta-feira que uma provocação de Moscovo poder vir a justificar uma intervenção militar na Ucrânia, após acusações mútuas de bombardeamentos entre soldados ucranianos e separatistas pró-Rússia. 


Um guarda fronteiriço ucraniano de guarda no posto de controlo na fronteira com a Rússia.
EUA acusam Rússia de enviar mais sete mil tropas para a fronteira com a Ucrânia
As novas estimativas colocariam o número de forças russas próximo das 150 mil, número citado pelo presidente dos EUA, Joe Biden.

"Soubemos dos relatos dos bombardeamentos [na região ucraniana do Donbass]. E certamente é preocupante. Ainda estamos a juntar pormenores. Há algum tempo que vimos dizendo que os russos podem fazer algo assim para justificar um conflito de tipo militar", disse o chefe do Pentágono, após uma reunião com os seus homólogos, na sede da NATO, em Bruxelas.

O exército ucraniano e as forças separatistas pró-Rússia acusaram-se hoje mutuamente de bombardeamentos e de uma escalada de tensão no leste da Ucrânia, região em conflito desde 2014, em plena crise entre Moscovo e o Ocidente.

"Estaremos atentos às operações em que a Rússia fabrica um evento dramático para justificar um ataque, um jogo que vimos acontecer no passado", explicou Blinken, que está num périplo europeu que ainda o vai levar à Polónia e à Lituânia.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Depois de, nos últimos dias, ter estabelecido contacto com os vários líderes europeus, “o Presidente Biden está pronto para se encontrar com o Presidente Putin a qualquer momento e em qualquer formato”, afirmou o secretário de Estado norte-americano Antony Blinken.
A ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, afirmou perante a Câmara dos Deputados que a Alemanha está a ​​​​​​​“trabalhar num forte pacote de sanções” com os aliados ocidentais no caso de uma invasão russa, que abrange vários aspetos “incluindo o Nord Stream 2”.