Escolha as suas informações

Rússia deixa de emitir passaportes para pessoas mobilizadas
Mundo 28.09.2022
Guerra na Ucrânia

Rússia deixa de emitir passaportes para pessoas mobilizadas

Guerra na Ucrânia

Rússia deixa de emitir passaportes para pessoas mobilizadas

Foto: Elias HUUHTANEN/AFP
Mundo 28.09.2022
Guerra na Ucrânia

Rússia deixa de emitir passaportes para pessoas mobilizadas

Lusa
Lusa
A decisão foi avançada pelo Governo russo numa altura em que milhares de pessoas procuram sair do país.

A Rússia vai deixar de emitir passaportes para os reservistas mobilizados pelo Exército, pode ler-se esta quarta-feira no portal informativo do Governo russo, no momento em que milhares de pessoas procuram sair do país.


Fila de veículos para atravessar a fronteira da Rússia com a Finlândia no posto fronteiriço de Vaalimaa, em Virolahti, a 23 de setembro.
Entrada de russos na UE subiu 30% desde anúncio de mobilização militar
A maioria dos cidadãos russos entrou na UE através da Finlândia e Estónia.

"Se um cidadão já foi convocado para o serviço militar ou recebeu uma convocação (para mobilização ou alistamento), o passaporte internacional será recusado", anuncia o portal governamental, referindo que, nestes casos, "será feito um aviso ao cidadão para explicar o motivo da recusa e o prazo de validade dessa recusa".

Os russos precisam de um passaporte internacional para viajar para a maioria dos países estrangeiros, embora se possam deslocar para países como Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão e Quirguistão com um passaporte interno, equivalente a um cartão de identidade.

Russos temem encerramento da fronteira

O anúncio de restrições à emissão de passaportes internacionais ocorre quando muitos russos temem o encerramento da fronteira, no âmbito de uma campanha de mobilização de reservistas para enviar mais tropas para a Ucrânia.


Homem russo aguarda com o passaporte alemão na fronteira com a Finlândia.
10 anos de prisão. Rússia aumenta penas por rendição ou recusa em combater
Putin decreta penas que podem ir até 10 anos de prisão para os soldados que desertem, que se rendam "sem autorização", que recusem combater ou que desobedeçam às ordens em período de mobilização. Os russos estão a fugir do fugir do país, enquanto podem.

O êxodo atingiu uma dimensão que obrigou os serviços de segurança russos a montarem um gabinete de mobilização móvel, na fronteira com a Geórgia, para intercetar aqueles que procuram sair do país.

O Presidente russo, Vladimir Putin, garantiu que apenas aqueles que já possuem experiência militar ou competências relevantes para o exército serão mobilizados, contudo, o recrutamento de idosos, doentes e estudantes, supostamente isentos, está a provocar mal-estar entre a população.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas