Escolha as suas informações

Rússia considera "passo perigoso" retirada dos EUA do acordo de armas nucleares
Mundo 21.10.2018

Rússia considera "passo perigoso" retirada dos EUA do acordo de armas nucleares

Rússia considera "passo perigoso" retirada dos EUA do acordo de armas nucleares

Foto: AFP
Mundo 21.10.2018

Rússia considera "passo perigoso" retirada dos EUA do acordo de armas nucleares

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia classificou hoje como "um passo perigoso" a retirada dos EUA do tratado sobre armas nucleares, anunciada no sábado pelo Presidente norte-americano, que acusou Moscovo de violar o acordo "há vários anos".


Serguei Riabkov afirmou à agência do Estado russo TASS que o acordo assinado durante a Guerra Fria é "significativo para a segurança internacional e a segurança nuclear, para a manutenção da estabilidade estratégica".

A retirada dos Estados Unidos do tratado, anunciada no sábado pelo Presidente Donald Trump, "será um passo muito perigoso que não será cumprido pela comunidade internacional e vai mesmo suscitar condenações sérias".

O vice-ministro condenou o que chamou de tentativas norte-americanas de obter concessões "com um método de chantagem".

Se os Estados Unidos continuam a agir "de maneira maldosa e grosseira" e se retiram unilateralmente de tratados internacionais, a Rússia "não terá outra alternativa senão "tomar medidas de retaliação, inclusive em relação à tecnologia militar".

"Mas não queremos chegar a esse ponto", frisou Riabkov.

Os Estados Unidos acusaram Moscovo de violar o acordo “há muitos anos”.

“A Rússia não respeitou o tratado. Então, vamos pôr fim ao acordo e desenvolver as armas”, afirmou Donald Trump, citado pela Agência France-Presse, depois de um comício em Elko, no estado do Nevada.

Trump referia-se ao tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF, sigla em inglês), assinado em 1987 pelos então presidentes norte-americano e soviético, Ronald Reagan e Mikhaïl Gorbachev, respetivamente.

“Eles violam-no há muitos anos”, assegurou Donald Trump. “Não sei por que é que o presidente Obama não o renegociou o não se retirou [do tratado]”, acrescentou, sobre o seu antecessor democrata.

“Não vamos deixá-los violar o acordo nuclear e fabricar armas, enquanto nós não somos autorizados. Nós permanecemos no acordo e temos honrado o acordo. Mas a Rússia, infelizmente, não respeitou o acordo”, criticou o presidente norte-americano.

A administração norte-americana protesta contra a implantação por Moscovo do sistema de mísseis 9M729, cujo alcance, de acordo com Washington, ultrapassa os 500 quilómetros, o que constitui uma violação do tratado INF.

O tratado, ao abolir o uso de uma série de mísseis de alcance entre os 500 e os cinco mil quilómetros, pôs fim à crise desencadeada na década de 1980 com a implantação dos SS-20 soviéticos visando capitais ocidentais.


Notícias relacionadas

Estados Unidos abandonam acordo nuclear com Irão
O Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou hoje que os Estados Unidos abandonam o acordo nuclear assinado entre o Irão e o grupo dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.
US President Donald Trump signs a document reinstating sanctions against Iran after announcing the US withdrawal from the Iran Nuclear deal, in the Diplomatic Reception Room at the White House in Washington, DC, on May 8, 2018. / AFP PHOTO / Saul LOEB / ALTERNATIVE CROP