Escolha as suas informações

Roberto Leal. “Era português de nascimento e brasileiro de alma”
Mundo 2 min. 16.09.2019

Roberto Leal. “Era português de nascimento e brasileiro de alma”

Roberto Leal. “Era português de nascimento e brasileiro de alma”

Mundo 2 min. 16.09.2019

Roberto Leal. “Era português de nascimento e brasileiro de alma”

O cantor enfrentava há dois anos um cancro e ficou com problemas de visão devido aos tratamentos de radioterapia.

O Governador do estado brasileiro de São Paulo, João Dória, lamentou este domingo a morte do cantor português Roberto Leal, dizendo que vai deixar saudades porque era "português de nascimento e brasileiro de alma".

"Roberto Leal vai deixar saudades. Era português de nascimento e brasileiro de alma. Amava as suas terras e tinha muitos admiradores em ambas. Minha solidariedade à família e amigos. Descanse em paz, Roberto [Leal]", escreveu João Dória na rede social Twitter.

Roberto Leal - nome artístico de António Joaquim Fernandes - dividiu a sua carreira entre Portugal e o Brasil, mas teve ainda passagens na política, no cinema e na televisão.

O cantor nasceu em Portugal, na aldeia transmontana Vale da Porca, concelho de Macedo de Cavaleiros, de onde em 1962 emigrou aos onze anos para o Brasil, com os pais e os nove irmãos.

Em São Paulo, após trabalhar como sapateiro, vendedor de doces e feirante, iniciou seu trabalho com a música e gravou o seu primeiro disco em 1970.


Roberto Leal. Herman José recorda o “excelente profissional”
Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo, em São Paulo.

Um ano depois, alcançou o seu primeiro grande êxito com "Arrebita" e teve a sua primeira experiência na televisão brasileira, vindo a repeti-la em 2011, em Portugal, ao participar no programa da RTP "O Último a Sair".

"Arrebenta a Festa" foi o último disco editado em 2016 de uma discografia com mais de 50 discos.

Vendeu mais de 17 milhões de discos, conseguiu 30 Discos de Ouro e cinco de platina e ganhou vários prémios, entre os quais o Troféu Globo de Ouro, da TV Globo, em 1972.

Em 1979, protagoniza o filme "O Milagre - o Poder da Fé", uma história autobiográfica sobre a sua família e o culto pela fé. Em 2011, publicou a sua autobiografia em Portugal e no Brasil.

Roberto Leal passou também pela política. Em 2018, candidatou-se a deputado estadual em São Paulo pelo Partido Trabalhista Brasileiro.

Em Portugal, aderiu ao PSD em 1991, deu espetáculos durante a campanha para as eleições legislativas de 1991 e participou em comícios nas de 1995. A sua carreira foi repartida entre Portugal e o Brasil, onde residia, apresentando-se como embaixador da cultura portuguesa no Brasil.


Personalidades reagem à morte do cantor Roberto Leal
Marcelo Rebelo de Sousa, Herman José, José Cid e Cristina Ferreira são algumas das muitas personalidades que nas últimas horas têm prestado homenagem ao cantor luso-brasileiro que morreu na madrugada deste domingo aos 67 anos.

Deu também espetáculos em todas as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo.

Desde há dois anos enfrentava um cancro e ficou com problemas de visão e cegueira no olho direito devido aos tratamentos de radioterapia.

O velório do cantor vai decorrer na segunda-feira, na Casa de Portugal, na região central de São Paulo a partir das 07h00 (horário local) e até às 14h00. O funeral está marcado para as 15h00 (horário local), no Cemitério Congonhas, na zona sul de São Paulo.

Lusa


Notícias relacionadas

Personalidades reagem à morte do cantor Roberto Leal
Marcelo Rebelo de Sousa, Herman José, José Cid e Cristina Ferreira são algumas das muitas personalidades que nas últimas horas têm prestado homenagem ao cantor luso-brasileiro que morreu na madrugada deste domingo aos 67 anos.