Escolha as suas informações

União Europeia e EUA querem transição energética ultrarrápida
Mundo 5 min. 08.04.2022
Clima

União Europeia e EUA querem transição energética ultrarrápida

Clima

União Europeia e EUA querem transição energética ultrarrápida

Mundo 5 min. 08.04.2022
Clima

União Europeia e EUA querem transição energética ultrarrápida

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
A guerra na Ucrânia e um relatório científico do IPCC - que diz que temos apenas três anos para baixar emissões - pedem uma mudança radical, dizem o vice-presidente da Comissão Europeia e o enviado especial dos EUA para o clima.

Num encontro virtual esta quinta-feira entre Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia, e o enviado especial dos Estados Unidos, John Kerry e as suas equipas, ambos os responsáveis pelas políticas do clima afirmaram que "as mais recentes consequências da guerra da Rússia contra a Ucrânia só fortaleceram o imperativo de acelerarmos a transição para as energias renováveis. Quando mais depressa os países conseguirem diversificar as suas fontes de energia e aumentarem a eficácia energética, melhor".

Os dois políticos aliados na luta para manter a subida das temperaturas dentro da janela de 1,5ºC de aquecimento (em relação à era pré-industrial) - um objetivo que foi reforçado na COP26 em Glasgow - reuniram-se para avaliar o progresso feito nas promessas na Escócia e preparar o terreno para a próxima COP. A grande reunião sobre alterações climáticas no âmbito da ONU vai decorrer este ano em novembro, em Sharm el–Sheikh, no Egito.


Imagem capturada a 15 de outubro de 2021 mostra uma nuvem de poluição sobre Lyon, França
Quase todos os europeus respiram ar que faz mal à saúde, alerta Agência Europeia do Ambiente
A informação foi avançada esta sexta-feira pela Agência Europeia do Ambiente.

UE paga mil milhões de euros por dia por combustíveis russos

Mas há dois novos desenvolvimentos que tornam ainda mais urgente os alertas vermelhos que foram dados em Glasgow de que está quase fechada a janela de oportunidade para garantir um planeta habitável para os jovens de hoje.

Uma delas é a guerra na Ucrânia, e a luta desesperada da União Europeia para se libertar da dependência dos combustíveis fósseis russos – cujas exportações estão a contribuir para a máquina de guerra da Rússia. O próprio alto responsável pela diplomacia da UE, Josep Borrel, confirmou uma aritmética dolorosa: "Demos à Ucrânia mil milhões de euros – pode parecer muito, mas mil milhões de euros é o que pagamos a Putin todos os dias pela energia que lhe compramos".


Venda do petróleo russo à Europa "está a financiar a guerra"
Estudo de organização europeia sem fins lucrativos Transport & Environment (T&E) considera, no entanto, que ainda é possível e viável reduzir a dependência europeia do 'ouro negro' russo.

Aviso dramático: três anos para diminuir as emissões que não param de subir

O outro desenvolvimento foi o terceiro capítulo do Sexto Relatório sobre o estado do planeta produzido pelo Painel Inter-Governamental Contra as Alterações Climáticas (IPCC), publicado na segunda-feira. Neste terceiro capítulo, conduzido por cientistas do mundo inteiro - e que é considerado a referência em matéria de clima para toda a comunidade científica e política - ficou claro que as emissões de gases com efeito de estufa têm que cair a partir de 2025, e reduzir para metade em 2030. Ou seja, há menos tempo do que se esperava: apenas três anos para inverter a tendência de subida das emissões. "Agora é o momento de ser ambicioso e acelerar para a transição verde", pode ler-se no relatório.


Microplásticos encontrados em pulmões humanos vivos pela primeira vez
A presença de partículas de plástico foi confirmada em 11 das 13 amostras analisadas. Análises anteriores tinha encontrado partículas em autópsias apenas.

No comunicado, os políticos norte-americanos e da União Europeia salientam que "a crise climática, que coloca um risco existencial, só aumentou e que o tempo para resolver este problema está a esgotar-se". Segundo um relatório da Agência Internacional de Energia, as emissões de gases atingiram o seu nível máximo de sempre em 2021, mesmo com o efeito dos confinamentos da pandemia no mundo inteiro.

A União Europeia está a negociar um pacote legislativo de medidas para reduzir as emissões, o chamado "Fit for 55", que se implementado em todos os países exaustivamente permitirá que as emissões de carbono e outros gases poluentes se reduzam em 55% até 2030. O pacote recentemente apresentado pela Comissão, Repower EU - ainda não aprovado - prevê reduzir a dependência europeia do gás russo em dois terços.


Frans Timmermans, o vice-presidente da Comissão Europeia, responsável pelo Pacto Ecológico Europeu.
"Como no tempo dos nossos avós". Bruxelas lança batalha contra consumismo e 'greenwashing'
Com o novo pacote sobre Economia Circular, a Comissão Europeia espera criar uma base para acabar com a era de comprar e deitar fora.

O relatório do IPCC publicado esta-segunda-feira, 4 de abril, sublinha que não há esperança de travar as alterações climáticas sem uma mudança radical para a energia elétrica (não produzida por gás) e usando ainda sistemas de remoção de carbono, cuja eficácia ou capacidade de serem implementados em larga escala ainda não foi provada. "Estamos numa encruzilhada. As decisões que tomarmos hoje podem permitir um futuro habitável", disse Hoesung Lee, presidente do IPCC.

A guerra tem, no entanto, desviado as atenções da necessidade de cortar em todos os combustíveis fósseis, quando tanto a Comissão Europeia, como os aliados americanos procuram novos fornecedores, sobretudo de LNG, o gás natural liquefeito, ou o anúncio recente dos EUA de que iriam aumentar a produção de petróleo para preencher as lacunas.

"Investir em novas infraestruturas de combustíveis fósseis é uma loucura moral e económica", disse o secretário-geral das Nações Unidas António Guterres, após a publicação do relatório. "Estes investimentos serão rapidamente ativos obsoletos e uma praga na paisagem", considerou.


Quer ajudar a combater a Rússia? Baixe o aquecimento de casa em 1ºC
Se adotada em toda a UE, evitar-se-ia a compra de 10 mil milhões de metros cúbicos de gás.

Além da eletrificação radical de toda a economia e sobretudo do transporte rodoviário (suportada por energias renováveis) o relatório do IPCC recomenda ainda que os governos têm que desenvolver políticas e campanhas que levem as pessoas a cortar radicalmente nos seus consumos energéticos. Incluindo investimentos em infraestruturas verdes, reformas no parque habitacional para aumentar a eficiência térmica e campanhas públicas que levem à alteração de comportamentos: como o uso generalizado de transporte público e mudança para uma alimentação à base de plantas.

Onze países, incluindo Luxemburgo, querem acelerar a transição

Numa carta dirigida aos restantes países da UE, os ministros do ambiente de onze países (Luxemburgo, Dinamarca, Alemanha, Finlândia, Países Baixos, Irlanda, Áustria, Espanha, Lituânia, Suécia e Eslovénia) pedem aos restantes colegas que acelerem a aprovação do pacote "Fit for 55". 

"Isto é essencial para tornar a UE independente dos combustíveis fósseis russos e a única maneira de respondermos à crise climática, respondendo ao comportamento agressivo da Rússia, e assegurar um fornecimento de energia barato, limpo e de confiança", sustentam na carta.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A UE paga 100 mil milhões de euros por ano à Rússia em combustíveis fósseis, mas o plano apresentado pela Comissão é para poupar, comprar a outros fornecedores e mudar para as renováveis mais depressa do que previsto. Por causa de Putin, dizem, em 2030, 45% da energia será verde.