Escolha as suas informações

Um novo começo em Bruxelas
Mundo 8 min. 10.09.2021
Rentrée europeia

Um novo começo em Bruxelas

Rentrée europeia

Um novo começo em Bruxelas

Foto: AFP
Mundo 8 min. 10.09.2021
Rentrée europeia

Um novo começo em Bruxelas

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
A covid-19 já não é a estrela da agenda. O papel da Europa no mundo, a crise afegã, as alterações climáticas e a luta pela democracia são os temas fortes da rentrée. A ementa para os próximos meses será servida no dia 15.

Dia 15 de setembro, será a segunda vez que Ursula von der Leyen se dirige ao Parlamento Europeu para fazer o balanço do ano que passou e apresentar as prioridades para os próximos 12 meses. O Estado da União, ou SOTEU (State of the Union), na sigla em inglês, marca o regresso da atividade política em Bruxelas após as férias de verão e é um momento em que os eurodeputados validam o trabalho da Comissão Europeia (CE) no debate que se segue.

No ano passado, a luta contra a covid-19 e a recuperação económica marcaram o discurso de Ursula von der Leyen. Este ano, a crise sanitária já não será o tema mais quente, com a situação no Afeganistão e o impacto que a tomada de Cabul terá para a posição da União no mundo e com o Europa a adaptar-se à evidente crise climática a assumirem o centro do palco. Amanhã, dia 9, Ursula von der Leyen encontra-se com os presidentes dos grupos do Parlamento Europeu na preparação do seu discurso dirigido aos cidadãos da UE. Um mês depois, a Comissão apresenta o seu programa de trabalho para 2022.

Uma União de Saúde

A ideia de uma União Europeia de Saúde foi proposta pela Comissão no final de 2020 depois de meses de covid-19 a darem razão a algumas vozes que querem um sistema de saúde mais centralizado a partir de Bruxelas. A ideia é reforçar os poderes da EMA, a agência europeia do medicamento, que todos passámos a conhecer como a entidade responsável pela autorização das vacinas, e do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, ou ECDC. Mas também criar uma nova agência virada para o futuro.

No próximo dia 14 de setembro, a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides, irá apresentar a HERA, uma eventual nova estrela, cuja função é a de ser um sistema de prevenção e alerta para riscos e crises a nível dos 27. A Autoridade de Resposta de Emergência Sanitária (HERA, sigla a partir do nome em inglês), além de coordenar a reação dos países terá também capacidade de fazer pesquisa, de declarar estados de emergência sanitária e de mapear as eventuais falhas de stocks nas cadeias de produção de medicamentos.

No inverno de 2021, uma boa parte da crise de falta de vacinas deveu-se a escassez de matérias-primas e a Comissão criou inclusive uma task force para controlar onde estava a faltar o quê. Se a HERA nascer terá também essa competência.

Trimestre do clima e do ambiente

Depois de em julho a Comissão ter apresentado o pacote Fit for 55 – onde propôs as medidas para alcançar a redução de gases com efeito de estufa em 55% até 2030 – o próximo trimestre verá o começo das discussões no Parlamento Europeu e no Conselho e da pressão de lóbis e ONG’s para puxarem esta brasa à sua sardinha. Até ao natal, o clima e o ambiente serão dos assuntos políticos mais prementes. Há a discussão em curso de todo este pacote (que irá continuar certamente durante meses até as propostas passarem todas as fases do processo legislativo até ao carimbo final no Parlamento Europeu), a COP15 sobre biodiversidade, e a COP26, em Glasgow – ambos os eventos envolvendo todas as nações da ONU.

Comissão Europeia, em Bruxelas.
Comissão Europeia, em Bruxelas.
Foto: DE

No princípio de outubro, a União Europeia deverá ter pronta a versão final dos seus compromissos para apresentar na COP 26 – a reunião das Nações Unidas onde está em jogo alcançar as metas do Acordo de Paris, ou não. Legalmente, a UE já se comprometeu com atingir a neutralidade carbónica em 2050. E foi dos primeiros blocos políticos a fazê-lo. A COP26 acontece de 31 de outubro a 12 de novembro. Até lá haverá várias reuniões internacionais de preparação, sendo uma das principais em Milão, a 30 de setembro.


Comissão Europeia. 15 leis para travar o aquecimento global
A Comissão Europeia apresenta esta semana o "Fit for 55". O pacote legislativo destina-se a reduzir as emissões em 55% até 2030. Vai ser "difícil como o raio", admitiu Timmermans, o "comissário verde" europeu.

Um mês depois da COP 26, a Comissão Europeia apresenta um novo pacote de propostas que vão desde a redução de emissões de metano no setor energético, uma revisão da diretiva do ecodesign, medidas sobre uma mobilidade verde, e novas leis criminais específicas para crimes ambientais. Serão igualmente apresentadas as recomendações do Conselho Europeu para que sejam absorvidas as medidas para a transição climática no setor laboral e social.

A proteção da biodiversidade estará no topo da agenda: com o encontro online e presencial da COP15 para a Biodiversidade das Nações Unidas (em outubro, na China), e com as metas específicas que a UE vai apresentar para o território europeu (propostas genericamente na Estratégia para a Biodiversidade 2030). E há outras medidas de maior alcance internacional, pedidas pelos ativistas do ambiente e por eurodeputados, como as de banir a importação de produtos que provoquem a desflorestação em países terceiros, incluindo a soja da Amazónia e o óleo de palma da Indonésia.

PAC mais verde

Para os ambientalistas e para o próprio Timmermans, a aprovação da revisão da PAC-Política Agrícola Comum (um pacote que equivale a um terço de todo o orçamento europeu) deixou uma sensação agridoce. As políticas ambientais estão lá, mas o risco de não serem cumpridas é grande. A tentativa de fazer a agricultura caber no Pacto Ecológico Europeu, inclui várias iniciativas legislativas dentro da Estratégia do Prado ao Prato e a complexa tarefa de libertar a União dos pesticidas químicos.

Até ao fim do ano, vários países vão ter que voltar a dizer se aceitam o glifosato ou não (considerado como responsável pelo declínio dos insetos polinizadores). O Luxemburgo já baniu a substância e foi o primeiro país a fazê-lo. A muito aguardada estratégia dos solos (para evitar a desertificação e para permitir que os solos alcancem o máximo potencial como sumidouros de carbono), deverá ser apresentada a 22 de dezembro. Prevê-se que os agricultores possam ganhar prémios por manterem os solos saudáveis e a captar CO2 da atmosfera.

Até ao fim do ano, os países também deverão apresentar as suas propostas para pedir os apoios no âmbito da PAC.

Merkel deixa a UE órfã

A saída de cena de Angela Merkel após 15 anos no poder na Alemanha é um dos maiores acontecimentos políticos do ano. A 26 de setembro (data que coincide com as eleições autárquicas em Portugal), os alemães escolherão o próximo chanceler e que coligação governará a maior economia da UE. Mas a reforma de Merkel, muitas vezes considerada a verdadeira líder do bloco, deixará um vazio a nível europeu que ainda não se sabe quem irá preencher e que implicações terá. Em maio de 2022, outra grande economia europeia, a França, terá eleições presidenciais. Michel Barnier, o homem que liderou o acordo do Brexit por parte da União Europeia, já se apresentou como candidato.

Afeganistão, migrações e o fim da bela amizade EUA/UE

No final de setembro, a Comissão vai apresentar mais medidas do Pacto sobre Migrações e Asilo, uma estratégia orientadora apresentada há exatamente um ano, com críticas de que levava o bloco a ser a “Fortaleza Europa”, e elogios por finalmente se criar ordem no desastre humanitário.

A crise do Afeganistão, com a previsível nova vaga de milhares de refugiados, levará a que as capitais acelerem o processo de se porem de acordo. O vice presidente da Comissão que tem a pasta, Margaritis Schinas, acredita nisso. As divisões no Conselho Europeu incluem diferentes pontos de vistas sobre as obrigações de cada país de acolher refugiados. O tema é dos mais politizados no seio da UE, com o risco de os movimentos populistas se aproveitarem de sentimentos xenófobos.

A questão que se coloca é: deve a Europa acolher refugiados ou pagar a países vizinhos para o fazer e ficar sujeito ao tipo de chantagem que a Turquia tem feito nos últimos anos? Não há soluções mágicas. Shinas deu o período após as eleições francesas, em maio de 2022, como o ideal para se forjar o acordo. A 29 de setembro vai ser apresentado o relatório sobre a situação das migrações na Europa e a luta contra os contrabandistas de refugiados.

A crise no Afeganistão, com a retirada dos EUA do papel de polícia do mundo e as declarações de Biden a sacudir a água do capote e a agir sem coordenação com a União Europeia, foi um balde de gelo num namoro ainda muito verde. Ainda a 15 de junho Biden prometia em Bruxelas unir forças com o velho continente. Mas a maior questão é ainda que lugar pode a UE assumir como potência geopolítica neste mundo novo sem a América?

O que vai ser da democracia?

Internamente, a UE também tem uma boa pergunta para fazer. A de se vai continuar a deixar passar a erosão da democracia a leste, ou não. Tem sido um jogo difícil gerir a chantagem de Orbán e companhia. A decisão pendente sobre a aprovação do Pacote de Recuperação e Resiliência da Hungria e da Polónia será tomada nas próximas semanas. E a condicionalidade do Estado de direito, que implica que os países tenham em vigor regras democráticas para receber os fundos de recuperação, vai estar na ordem do dia. Com o Fidesz, o partido no poder na Hungria, a radicalizar as suas políticas de extrema direita e ataque às minorias, e a Polónia a recusar aceitar ordens do Tribunal de Justiça Europeu, a Comissão poderá não ter outra saída senão ter coragem para cortar o financiamento a Varsóvia e a Budapeste. O que for feito nas próximas semanas mostrará até que ponto Bruxelas consegue impor os chamados “valores europeus”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Europa registou, na semana passada, um total de 1.104.121 novos casos positivos de covid-19, uma situação que a Comissão Europeia classificou hoje como "dramática", destacando também o "aumento do número de mortes" nos últimos dias.
Comissária Europeia da Saúde, Stella Kyriakides.
O Velho Continente comemora sem muita pompa e circunstância a crise da covid-19, o 70º aniversário da declaração de Robert Schuman. O primeiro-ministro, Xavier Bettel ,explica porque defende os "coronabonds", ao lado de Portugal, e lembra que a manutenção da União Europeia depende da solidariedade.
Quatro países bloquearam as chamadas coronabonds no Conselho Europeu. E a criação de um Plano Marshall para evitar a depressão económica foi adiada. António Costa, chamou de “repugnante” as declarações do ministro das Finanças holandês pedindo que Espanha seja investigada por não ser capaz de fazer face ao desafio económico provocado pela pandemia.