Escolha as suas informações

Relatório da ONU exige mudanças para limitar aquecimento global
Mundo 08.10.2018 Do nosso arquivo online

Relatório da ONU exige mudanças para limitar aquecimento global

Relatório da ONU exige mudanças para limitar aquecimento global

Foto: AFP
Mundo 08.10.2018 Do nosso arquivo online

Relatório da ONU exige mudanças para limitar aquecimento global

Documento com 400 páginas aponta a necessidade de transformações "rápidas e sem precedentes".

Um relatório de especialistas da ONU advertiu hoje que o mundo terá de avançar com transformações "rápidas e sem precedentes" nos sistemas de energia, transportes, construção e indústria" para limitar o aquecimento global a 1,5º Celsius.

Se o aquecimento "continuar a crescer ao ritmo atual", sob o efeito das emissões de gases do efeito estufa, "deve chegar a 1,5° Celsius (C) entre 2030 e 2052", de acordo com o relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC).

Limitar o aquecimento global a quase um grau pode significar a diferença entre a vida e a morte de muitas pessoas e ecossistemas, sublinharam os responsáveis pelo documento, manifestando "pouca esperança" de que o mundo seja capaz de enfrentar este desafio.

O relatório, de 400 páginas, foi divulgado na cidade sul-coreana de Incheon, após uma reunião de cinco dias, em que participaram 570 representantes de 135 países.

O documento foi encomendado pela ONU após o Acordo Climático de Paris de 2015, no qual os signatários se comprometeram a manter o aquecimento global abaixo de 2ºC e limitá-lo a 1,5ºC.

Os cientistas descrevem, com base em seis mil estudos, os impactos de um aquecimento de mais 1,5º Celsius, um nível que a Terra poderá atingir já em 2030 (2030-2052) devido à falta de uma redução maciça das emissões de gases de efeito estufa.


Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Relatório de cientistas da ONU alerta para o perigo de as temperaturas aumentarem 1.5ºC já em 2050. O documento diz que é inequívoca relação entre atividade humana e alteração do clima e que a humanidade enfrenta perigo iminente.