Escolha as suas informações

Reino Unido: Theresa May anuncia eleições antecipadas a 8 de junho

Reino Unido: Theresa May anuncia eleições antecipadas a 8 de junho

Foto: AFP
Mundo 18.04.2017

Reino Unido: Theresa May anuncia eleições antecipadas a 8 de junho

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou hoje, num discurso surpresa no n° 10 de Downing Street, eleições antecipadas a 8 de junho. O anúncio surge cerca de três semanas depois de May ter ativado o já famoso artigo 50 do Tratado de Lisboa, que marcou o arranque oficial das negociações entre o Reino Unido e a União Europeia para concretizar o Brexit.


A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou hoje, num discurso surpresa no n° 10 de Downing Street, eleições antecipadas a 8 de junho. O anúncio surge cerca de três semanas depois de May ter ativado o já famoso artigo 50 do Tratado de Lisboa, que marcou o arranque oficial das negociações entre o Reino Unido e a União Europeia para concretizar o Brexit.

May explicou que convoca eleições agora porque os restantes partidos da oposição discordam dos seus planos para o Brexit. “A única forma de conseguir estabilidade e certeza é através desta eleição a 8 de junho”, afirmou a responsável.

May apresentará amanhã a proposta para as eleições no parlamento britânico e apelou à oposição para que as aprove.

Quando assumiu a liderança do Governo britânico, depois de David Cameron se ter demitido após a vitória do Brexit, a primeira-ministra assegurou que não iria optar por eleições antecipadas. O argumento era o de que o país precisava de um período de estabilidade depois do choque do Brexit.

May mudou entretanto de posição e afirmou hoje que é com relutância que convoca eleições, mas adiantou que as defenderá. “Estas eleições serão sobretudo sobre liderança. Para a governante, é necessário “remover o risco de incerteza e instabilidade” e garantiu que “será a liderança forte de que o país precisa”.

May explicou, citada pelo The Guardian, que o Governo tem um plano para a saída do Reino Unido da União Europeia que permitirá ao país voltar a ter o controlo da legislação e das fronteiras. May considera que esta é a abordagem correta, mas que não tem o apoio dos partidos da oposição. “Deve haver união em Westminster”, afirmou. May disse ainda não estar preparada para permitir que os partidos da oposição coloquem em perigo os seus planos para o Brexit. “Se não houver uma eleição agora, o jogo continuará”, afirmou.

Paula Cravina de Sousa com agências


Notícias relacionadas

Trump quer substituir May por Boris
No primeiro dia da sua visita ao Reino Unido, o presidente dos Estados Unidos lançou uma bomba atómica, desta vez não escolheu o Twitter, usou o The Sun do seu amigo Murdoch para dizer que o Brexit suave liquida qualquer acordo com os norte-americanos e que gostava muito de ver Boris Johnson como futuro primeiro-ministro do Reino Unido. Isso no dia em que a primeira-ministra que o recebe, e o trata por "querido amigo", apresentou o seu plano de saída da União Europeia.
Demite-se o ministro britânico para o Brexit
David Davis saiu por divergências com a política da primeira-ministra Theresa May e justificou o seu gesto: “o interesse nacional exige um ministro do Brexit que acredite firmemente na política [do governo] e não somente um conscrito reticente. A demissão pode colocar em causa a manutenção do governo conservador.