Escolha as suas informações

Reino Unido. Testamento do Duque de Edimburgo será mantido em segredo durante 90 anos
Mundo 2 min. 17.09.2021
Monarquia

Reino Unido. Testamento do Duque de Edimburgo será mantido em segredo durante 90 anos

Monarquia

Reino Unido. Testamento do Duque de Edimburgo será mantido em segredo durante 90 anos

Foto: REUTERS
Mundo 2 min. 17.09.2021
Monarquia

Reino Unido. Testamento do Duque de Edimburgo será mantido em segredo durante 90 anos

Ao fim de 90 anos, haverá um processo privado para decidir se o testamento pode ser desselado e tornado público.

O testamento do Duque de Edimburgo vai permanecer em segredo durante, pelo menos, 90 anos para proteger a "dignidade e posição" da Rainha de Inglaterra, Isabel II, segundo decidiu o Supremo Tribunal.

Há mais de um século que, depois da morte de um membro sénior da família real britânica, os tribunais são solicitados a selar os seus testamentos, impedindo que estes possam ser consultados publicamente. A audiência para selar o testamento foi realizada em julho, numa sessão privada com o juiz mais antigo dos tribunais de família, Andrew McFarlane, que decidiu o limite mínimo de 90 anos, refere a notícia a BBC. 


Duque de Edimburgo. A rainha Isabel "sente um enorme vazio na sua vida"
"Ela está perdida em pensamentos" e "sofre mais" do que todos. "É um choque horrível". As declarações dos príncipes André e Eduardo sobre a morte do seu pai, o príncipe Philip.

O juiz não terá tido acesso ao conteúdo do testamento do Duque de Edimburgo, conhecendo apenas a data da sua execução e a identidade do executor nomeado. e justificou a decisão de realizar a audiência em privado para evitar "publicidade e conjeturas muito significativas" que "derrotariam o objetivo do pedido". "Não há um verdadeiro interesse público em que o público conheça esta informação totalmente privada", afirmou.  

O advogado da Rainha e o Procurador-Geral defenderam que os testamentos deveriam ser selados durante 125 anos, mas Andrew McFarlane considerou que 90 anos seria "proporcional e suficiente" e significaria uma redução substancial no risco de publicação intrusiva na vida privada de um membro da família real.

Como presidente da Divisão da Família do Tribunal Superior, o juiz é o guardião de um cofre contendo mais de 30 envelopes, cada um contendo a vontade selada de um membro da família real já falecido.


Morreu o Duque de Edimburgo, marido da rainha Isabel II
O duque de Edimburgo, príncipe consorte da Rainha Isabel II, morreu hoje aos 99 anos, anunciou o Palácio de Buckingham.

O do príncipe Filipe, Duque de Edimburgo, que morreu a 9 de abril desde ano, estará selado durante 90 anos, após os quais haverá um processo privado para decidir se o mesmo pode ser desselado.

Nessa altura, o testamento será aberto e examinado pelo advogado particular do monarca, o guarda do Arquivo Real, o procurador-geral e por quaisquer representantes pessoais da pessoa falecida que ainda possam estar disponíveis, aos quais caberá a decisão de tornar ou não público o testamento, nessa fase, explicou o juiz. Apesar dessa possibilidade, alguns testamentos reais poderão nunca ser publicados, ressalvou. 

O processo de desselar um testamento real deve ser conduzido por um arquivista profissional para assegurar que os documentos e selos sejam devidamente preservados. 

A exceção de Diana

 Um nome que não figurará entre os testamentos selados é o de Diana, Princesa de Gales. 


William e Harry inauguram estátua em homenagem à princesa Diana
Os príncipes William e Harry inauguraram hoje juntos uma estátua em homenagem à mãe, Princesa Diana, nos jardins do Palácio de Kensington, em Londres, no dia em que ela completaria 60 anos.

Ao contrário de outros membros da Família Real, o seu testamento foi publicado após a sua morte em 1997, revelando que a maioria da sua fortuna deveria ser conservada num fundo, em nome dos seus filhos, até estes atingirem os 25 anos de idade.

 Em 2014, os arquivos testamentários de Inglaterra e do País de Gales, passaram a estar disponíveis na internet. Mais de 40 milhões de documentos, a partir de 1858, foram desse forma, divulgados online, para fins de informação histórica. O testamento de Diana foi um dos que foi incluído no arquivo online, onde estão também o do antigo primeiro-ministro Winston Churchill ou do escritor Charles Dickens. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.