Escolha as suas informações

Reino Unido admite que guerra na Ucrânia pode durar anos
Mundo 2 min. 06.03.2022
Guerra na Ucrânia

Reino Unido admite que guerra na Ucrânia pode durar anos

Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia

Reino Unido admite que guerra na Ucrânia pode durar anos

Guerra na Ucrânia
Foto: AFP
Mundo 2 min. 06.03.2022
Guerra na Ucrânia

Reino Unido admite que guerra na Ucrânia pode durar anos

Lusa
Lusa
"Devemos ter claro que a nossa missão, juntamente com os nossos aliados, é garantir que Putin fracassa na Ucrânia, e isso vai demorar algum tempo. Estamos a falar de meses, se não mesmo de anos", disse o vice-primeiro-ministro Dominic Raab.

O vice-primeiro-ministro do Reino Unido, Dominic Raab, advertiu hoje que a guerra na Ucrânia pode prolongar-se por anos e considerou que o Presidente russo, Vladimir Putin, subestimou as dificuldades de uma invasão.

"Devemos ter claro que a nossa missão, juntamente com os nossos aliados, é garantir que Putin fracassa na Ucrânia, e isso vai demorar algum tempo. Estamos a falar de meses, se não mesmo de anos", disse Raab, numa entrevista à estação televisiva Sky News.

"Vamos ter de demonstrar resistência estratégica, porque isto não vai acabar em alguns dias", sublinhou o vice-primeiro-ministro e titular da pasta da Justiça do Governo britânico.


Volodymyr Zelensky
Zelensky diz que Rússia se prepara para bombardear Odessa
“Será um crime militar. Será um crime histórico”, acusou o presidente ucraniano.

Raab, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros entre 2019 e 2021, considera que a Rússia está disposta a usar "qualquer estratégia" para atingir os seus objetivos na Ucrânia. A invasão, sublinhou, está a ser "mais difícil do que Putin esperava".

Questionado sobre se as ordens do Presidente russo podem ser consideradas crimes de guerra, Raab disse que "as estratégias imprudentes e francamente terríveis do regime de Putin devem ser sancionadas".

"Não apenas o próprio Putin, mas qualquer um que aceite ordens ilegais" deverá responder por isso, disse o vice-primeiro-ministro, embora ressalvando que o Reino Unido evitará envolver-se num "conflito militar direto com Putin".

Por sua vez, o chefe das Forças Armadas britânicas, almirante Tony Radakin, disse à BBC que os países ocidentais “devem ter a confiança de que estão a agir corretamente”.

"Devemos reconhecer que, provavelmente, assistiremos a um aumento da violência por parte da Rússia e veremos mais bombardeamentos indiscriminados. Veremos mais violência ridícula", avançou o responsável militar.

Contudo, acrescentou, "o mundo deve manter a sua determinação e continuar a pressionar a Rússia, porque Putin é o único que pode pôr fim a isto".

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil.


Delegações da Rússia e da Ucrânia na segunda ronda de negociações, em Belovezhskaya Pushcha, na região bielorrussa de Brest, perto da fronteira polaca.
Terceira ronda de conversações entre Ucrânia e Rússia na segunda-feira
Uma terceira ronda de conversações entre a Ucrânia e a Rússia vai realizar-se na segunda-feira.

Os ataques provocaram também a fuga de mais de 1,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas