Escolha as suas informações

Referendo: Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"
Mundo 2 min. 05.07.2015 Do nosso arquivo online

Referendo: Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

Alexis Tsipras já votou

Referendo: Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

Alexis Tsipras já votou
Foto: AFP
Mundo 2 min. 05.07.2015 Do nosso arquivo online

Referendo: Tsipras frisa que gregos têm hoje "nas mãos as rédeas do seu destino"

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que o povo enviará hoje, através do referendo que se realiza na Grécia, a importante mensagem de que têm "nas mãos as rédeas do seu destino".

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, afirmou que o povo enviará hoje, através do referendo que se realiza na Grécia, a importante mensagem de que têm "nas mãos as rédeas do seu destino".

"Muitos podem ignorar a vontade do Governo. A vontade do povo não", disse Tsipras, depois de ter votado no bairro popular de Atenas de Kipseli.

O primeiro-ministro reforçou que "hoje o povo grego envia a mensagem que toma nas suas mãos o seu destino", assim como "hoje a democracia vence o medo" e "a determinação vence a propaganda do medo".

Numa mesa de voto repleta de câmaras e entre aplausos de cidadãos, Tsipras lançou também uma mensagem europeísta para reforçar que a escolha de hoje é "uma mensagem de determinação, não só para ficar, mas para viver com dignidade na Europa".

"Estou muito otimista", disse Tsipras, sobre o resultado do referendo em que os gregos vão decidir se aceitam o programa apresentado pelos credores internacionais. 

Foto: AFP

Dez milhões de gregos votam hoje

Hoje são chamados cerca de dez milhões de gregos a decidir sobre o futuro do país e, provavelmente, a permanência na zona euro.

As mais de 19 mil assembleias de voto abriram às 7h (6h no Luxemburgo) e fecham às 19h (18h no Luxemburgo), antecipando-se uma longa noite para os líderes europeus e para os principais atores financeiros.

O referendo, o primeiro desde 1974, serve para os gregos decidirem se aceitam o programa apresentado pelos credores internacionais (Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional e Banco Central Europeu) há mais de uma semana.

Contudo, esse programa já não existe, dado que Atenas falhou o pagamento de 1,55 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a meio da semana passada.

É exigida uma participação de pelo menos 40% do eleitorado para que o resultado do referendo seja considerado válido.

Os primeiros resultados devem ser conhecidos a partir das 20h (hora no Luxemburgo).

O Governo grego surpreendeu toda a gente ao final do dia 26 de junho, ao anunciar um referendo durante as negociações, e ficou assim arredado de receber, pelo menos para já, cerca de 12 mil milhões de euros que estavam a ser negociados com os parceiros europeus até novembro, e mais de 3,5 mil milhões de euros vindos do FMI.


Notícias relacionadas

EDITORIAL: Des(união) europeia
Por Paula Telo Alves - A leviandade com que os líderes europeus têm estado a lidar com a Grécia faz lembrar uma velha anedota judaica. Dois judeus viajam a bordo do Titanic quando o barco começa a afundar-se. Os dois conseguem lugar num bote salva-vidas, mas um deles chora desesperadamente. “Mas estás a chorar porquê?”, pergunta-lhe o outro. “Por acaso o barco é teu?”.
A man collects items for recycling past a political graffiti in Athens, Greece June 30, 2015. The head of the European Commission made a last-minute offer to try to persuade Greek Prime Minister Alexis Tsipras to accept a bailout deal he has rejected before a referendum on Sunday which EU partners say will be a choice of whether to stay in the euro.  The word painted over the European Union flag reads, "No".  REUTERS/Yannis Behrakis      TPX IMAGES OF THE DAY