Escolha as suas informações

Recursos da Terra chegavam ao fim esta sexta-feira se o mundo fosse europeu

Recursos da Terra chegavam ao fim esta sexta-feira se o mundo fosse europeu

Foto: Pixabay
Mundo 3 min. 10.05.2019

Recursos da Terra chegavam ao fim esta sexta-feira se o mundo fosse europeu

O Luxemburgo foi o primeiro a esgotar os seus recursos, logo a 16 de fevereiro, segundo organizações ambientalistas internacionais.

Os recursos naturais da terra estariam esgotados esta sexta-feira se o resto do mundo consumisse como os europeus, indica um relatório hoje divulgado, no qual Portugal  aparece menos “gastador” do que a média europeia.

Segundo o relatório, da responsabilidade das organizações ambientalistas internacionais World Wildlife Fund (WWF, Fundo Mundial para a Natureza) e Global Footprint Network, o dia 10 de maio marca a data em que os Europeus verão esgotado o seu orçamento natural anual.

Se todas as pessoas no mundo vivessem como os residentes da União Europeia (UE), os recursos naturais dos quais dependemos esgotar-se-iam neste dia, diz o documento. Portugal teria os seus recursos esgotados apenas no dia 26. O que quer dizer que se o mundo todo vivesse como Portugal, os recursos acabavam a 26 de maio.

Com base nos padrões de consumo, os dados indicam que na Europa foi o Luxemburgo a esgotar primeiro os seus recursos, logo a 16 de fevereiro, enquanto outros países, como a Roménia, Hungria ou Bulgária, apenas esgotam os seus recursos em junho.

No mundo há países muito mais poupados. Se todos vivessem como em Cuba, os recursos dariam até 1 de dezembro, em Marrocos dariam até dia 16, e no Níger apenas se esgotariam a 25 de dezembro. Já se o planeta fosse todo norte-americano, os recursos tinham-se esgotado no dia 15 de março.


Luxemburgo entra hoje em dívida e vai ter de viver a crédito o resto do ano
O segundo país mais rico do mundo entra hoje em bancarrota ecológica. Ainda só estamos em fevereiro, mas o Luxemburgo esgotou hoje os recursos que levarão um ano a renovar-se, segundo a Global Footprint Netwoork.

As duas organizações lembram que a sociedade mundial subiste do que a natureza dá, dos alimentos aos medicamentos, das roupas aos materiais de construção, e explicam que se todos tivessem o mesmo estilo de vida dos europeus a humanidade gastava agora todos os recursos que a Terra pode renovar em cada ano. Tal significa que eram precisos 2,8 planetas para sustentar a procura de recursos naturais que esse estilo de vida exige. E lembram as organizações que no ano passado os recursos só foram esgotados a 1 de agosto, pelo que os europeus estão a acelerar o consumo.

“Durante o resto de 2019, a humanidade vai operar 'a crédito' de capital natural, ou seja, estamos a esgotar as reservas que a natureza nos fornece muito mais cedo”, notam as organizações, que falam de uma “pressão ecológica sem precedentes”, que inclui desflorestação, perda de biodiversidade, quebra de populações de peixes, escassez de água doce, erosão do solo ou poluição do ar.

O relatório destaca as diferenças entre as Pegadas Ecológicas dos Estados-Membros da UE e as de outros países no mundo e mostra que apesar das grandes variações entre os países da UE nenhum deles está a viver num nível sustentável. No mapa da Pegada Ecológica, da responsabilidade da Global Footprint Network, Portugal aparece no grupo dos países com menor pegada. Avaliando a quantidade de solo necessário para sustentar o tipo de vida atual no Luxemburgo, cada habitante precisa de 12,5 hectares e em Portugal de pouco mais de quatro.

O relatório reafirma as conclusões do relatório científico da Plataforma Intergovernamental para a Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas (IPBES) da ONU, fornecendo recomendações para as mudanças urgentes que são essenciais para empurrar este dia na UE para o final do ano, diz-se num comunicado divulgado pela Associação Natureza Portugal (ANP), que representa em Portugal a WWF.

Ângela Morgado, diretora-executiva da ANP|WWF, afirmou, citada no comunicado, que o dia em que são esgotados os recursos “é um alarme gritante” que comprova da UE está a contribuir “para o iminente colapso ecológico e climático do planeta”. “Esta forma de viver não é apenas irresponsável, é completamente perigosa”, alerta.

E sobre o mesmo assunto, Mathis Wackernagel, fundador e presidente da Global Footprint Network: “Estamos a operar um esquema de pirâmide com o Planeta, usando recursos do futuro para administrar a economia de hoje. Isto é arriscado para a prosperidade da Europa. Tal como fazemos para as finanças, também precisamos de uma contabilidade cuidadosa do lado dos recursos".

A WWF diz que até ao início da década de 1970 o planeta era capaz de prover as necessidades da humanidade, e que desde então o consumo aumentou e agora é muito maior do que a taxa de renovação. A organização sublinha que o consumo da UE é tal que apesar de compreender 07% da população mundial precisa de 20% dos recursos globais.

(Lusa)


Notícias relacionadas

O ator que envergonhou os políticos luxemburgueses com uma simples pergunta
Brice Montagne é ator e ativista do ambiente. Este mês, subiu ao palco do Grand Théâtre para interpretar a peça “Breaking the waves”, a adaptação para teatro do filme homónimo de Lars Von Trier. Mas não foi só em palco que o jovem ecologista fez ondas. Com uma simples pergunta, pôs a nu a ignorância dos deputados luxemburgueses sobre mudanças climáticas.