Escolha as suas informações

Rainha Isabel II convoca reunião de emergência para debater futuro de Duques de Sussex
Mundo 3 min. 12.01.2020 Do nosso arquivo online

Rainha Isabel II convoca reunião de emergência para debater futuro de Duques de Sussex

Rainha Isabel II convoca reunião de emergência para debater futuro de Duques de Sussex

AFP
Mundo 3 min. 12.01.2020 Do nosso arquivo online

Rainha Isabel II convoca reunião de emergência para debater futuro de Duques de Sussex

Núcleo duro da família real britânica convocado para discutir o "Megxit" na segunda-feira.

A Rainha Isabel II convocou, para segunda-feira, uma reunião de emergência com o núcleo duro da família real britânica para abordar o futuro papel na monarquia dos duques de Sussex, Harry e Meghan.

De acordo com a imprensa britânica, será o primeiro frente a frente do príncipe Harry, de 35 anos, com a sua avó depois de ter anunciado na quarta-feira a vontade de ter a sua “independência financeira” com a sua mulher Meghan, e de viver uma parte do ano na América do Norte.

Além de Harry, vão estar presentes na residência da rainha em Sandringham o príncipe William e o seu pai, o príncipe Carlos, herdeiro da coroa, enquanto Meghan participará por telefone desde o Canadá, segundo informou hoje um porta-voz do Palácio de Buckingham.

Harry e a mulher anunciaram a intenção de “recuar” dos deveres enquanto membros seniores da família real do Reino Unido, para se tornarem “financeiramente independentes”, tendo o Palácio de Buckingham dito que essas questões são "complicadas".

“Depois de muitos meses de reflexão e discussões internas, decidimos fazer uma transição este ano para começarmos a construir um novo papel progressivo nesta instituição. Queremos recuar enquanto membros seniores da família real [do Reino Unido] e trabalhar para nos tornarmos financeiramente independentes”, declararam os duques de Sussex, numa publicação feita através da conta do casal na rede social Instagram.

A publicação também refere que os duques de Sussex vão dividir o tempo entre o Reino Unido e os Estados Unidos da América, de onde é natural a mulher do príncipe Harry, Meghan Markle.

Na reunião de segunda-feira vão ser analisados os “passos seguintes” a ser tomados em relação aos duques e os planos que foram estudados em coordenação com os funcionários do Governo britânico e o do Canadá, onde, ao que tudo indica, os duques querem estabelecer residência.

O inesperado anúncio de Harry e Meghan, que asseguram ter a intenção de “trabalhar para ser financeiramente independentes”, provocou mal-estar entre o resto dos membros da monarquia e levantou dúvidas sobre as futuras fontes de financiamento dos duques.

Segundo a imprensa, prevê-se uma “atmosfera tensa” numa “família real ferida”, que foi surpreendida pelo anúncio do casal, revivendo a memória da abdicação em 1936 do rei Eduardo VIII para casar com Wallis Simpson, uma norte-americana divorciada, como Meghan.

A rainha Isabel II, de 93 anos, pediu aos membros da família para que encontrassem rapidamente “uma solução” para o neto, sexto em sucessão, e a sua mulher.

Entre os assuntos na reunião, estará o montante da doação financeira que o príncipe Carlos atribuirá ao casal da sua reserva pessoal, que representa a maior parte do seu rendimento, bem como a questão dos títulos reais e o perímetro das transações comerciais que Harry e Meghan serão autorizados a fazer.

De acordo com o jornal The Guardian, Harry e Meghan receberam cerca de 5 milhões de libras (5,87 milhões de euros) em 2018-2019.

A notícia da intenção dos duques de Sussex causou inquietação pública e indignação, difundida profusamente através dos meios de comunicação social britânicos, e até o museu Madame Tussauds em Londres, que exibe 250 estátuas de cera das grandes figuras do mundo, agiu rapidamente e separou Harry e Meghan do resto da família real.

Lusa


Notícias relacionadas