Escolha as suas informações

Quase 400 feridos no Líbano após confrontos entre polícia e manifestantes
Mundo 19.01.2020

Quase 400 feridos no Líbano após confrontos entre polícia e manifestantes

Quase 400 feridos no Líbano após confrontos entre polícia e manifestantes

Foto: AFP
Mundo 19.01.2020

Quase 400 feridos no Líbano após confrontos entre polícia e manifestantes

Lusa
Lusa
Cerca de 377 pessoas foram tratadas no local ou transportadas para hospitais, durante confrontos no epicentro do protesto em Beirute.

 Quase 400 pessoas ficaram feridas no Líbano em confrontos entre manifestantes e forças de segurança em Beirute na noite de sábado, o dia mais violento desde o início dos protesto, segundo a agência de notícias France-Presse.

Cerca de 377 pessoas foram tratadas no local ou transportadas para hospitais, durante confrontos na área próxima do Parlamento e da Praça dos Mártires, epicentro do protesto em Beirute, de acordo com informações da Cruz Vermelha libanesa e da proteção civil compilada pela agência de notícias France-Presse.

No sábado registaram-se violentos confrontos entre manifestantes e forças da ordem em Beirute, no Líbano, onde um movimento de contestação popular inédito entrou no seu quarto mês.

Estes foram os confrontos mais violentos desde o início da contestação, em 17 de outubro de 2019, num país em plena crise política e económica.

Os confrontos ocorreram em frente a uma das principais entradas do Parlamento e os manifestantes, muitos de cara tapada, lançaram pedras, ramos de árvores e postes de sinalização na direção da polícia de choque.

A polícia dispersou os manifestantes com canhões de água e disparos de gás lacrimogéneo.

Inicialmente estava prevista uma manifestação perto do Parlamento e vários grupos deveriam convergir para o local provenientes de diferentes pontos da capital e arredores, mas a situação deteriorou-se antes da chegada dos grupos.

O movimento de contestação, que levou à demissão no final de outubro do primeiro-ministro, Rafic Hariri, tem como alvo uma classe política acusada de corrupção e incompetência e reclama um Governo formado por tecnocratas e personalidades independentes.

Na terça e na quarta-feira, a capital libanesa já tinha sido cenário de violência, durante a noite, com atos de vandalismo contra vários bancos e confrontos entre a polícia e manifestantes.