Escolha as suas informações

Quase 23 milhões de afegãos vão sofrer insegurança alimentar aguda no inverno
Mundo 2 min. 25.10.2021
Afeganistão

Quase 23 milhões de afegãos vão sofrer insegurança alimentar aguda no inverno

Afeganistão

Quase 23 milhões de afegãos vão sofrer insegurança alimentar aguda no inverno

Foto: AFP
Mundo 2 min. 25.10.2021
Afeganistão

Quase 23 milhões de afegãos vão sofrer insegurança alimentar aguda no inverno

Lusa
Lusa
Este é o número mais alto desde que as Nações Unidas começaram a analisar esses dados no Afeganistão, há dez anos.

Cerca de 22,8 milhões de afegãos, mais de metade da população do país, estarão este inverno em situação de insegurança alimentar aguda, levando o país a uma das piores crises humanitárias do mundo, alertaram hoje agências da ONU.

"Neste inverno, milhões de afegãos serão forçados a escolher entre migrar ou morrer de fome, a menos que possamos aumentar nossa ajuda para salvar vidas", disse David Beasley, diretor executivo do Programa Alimentar Mundial (PAM), num comunicado conjunto com a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

A crise alimentar no Afeganistão já é mais grave do que na Síria ou no Iémen. Apenas a República Democrática do Congo (RD Congo) está numa situação mais desesperadora, disseram funcionários da ONU à agência de notícias francesa AFP.


Meta global de fome zero até 2030 está “perigosamente mal encaminhada”
O mundo como um todo, em particular 47 países, grande parte localizados na África subsaariana e no sul da Ásia, não conseguirá atingir um baixo nível de fome até 2030.

"O Afeganistão está agora entre os piores desastres humanitários do mundo, senão o pior", acrescentou Beasley.

“A contagem regressiva para o desastre começou e se não agirmos agora, teremos o desastre total nas nossas mãos”, alertou.

Sob os efeitos combinados da guerra, aquecimento global e crises económicas e de saúde, mais de 50% da população afegã estará neste inverno nos níveis 3 (crise alimentar) e 4 (emergência alimentar) do índice IPC (Quadro Integrado de Classificação de Segurança Alimentar), desenvolvido em colaboração com a ONU.


Número de mortos em atentado no Afeganistão sobe para 60
A polícia de Kandahar anunciou, num comunicado, que está a tentar localizar os terroristas que apoiaram os três homens suicidas e ressalvou que a segurança da mesquita é controlada pela própria comunidade xiita, embora não seja suficiente.

O estágio 3 é caracterizado por subnutrição aguda grave ou incomum e o estágio 4 por subnutrição aguda muito elevada e mortalidade excessiva. O último estágio (5) é o da fome.

Este é o número mais alto desde que as Nações Unidas começaram a analisar esses dados no Afeganistão, há dez anos.

De acordo com o PAM, 37% mais afegãos sofrem atualmente de insegurança alimentar aguda em comparação com abril de 2021. Entre estes, 3,2 milhões de crianças menores de cinco anos sofrerão de subnutrição aguda até ao final do ano.


Zarifa Ghafari. "Se os Taliban são tão corajosos a bater em mulheres, sejam corajosos a falar comigo"
Zarifa Ghafari foi a mais jovem presidente de câmara no Afeganistão, mas agora é refugiada e viaja pelo mundo a denunciar o que acontece no país e é de Portugal que desafia os talibãs a negociarem com uma mulher.

O Afeganistão está devastado por mais de quatro décadas de conflito e está a sofrer as consequências do aquecimento global, que levou a secas severas em 2018 e 2021.

A sua economia estagnou desde que os talibãs assumiram o poder em agosto, o que levou a comunidade internacional a congelar a ajuda da qual o país já dependia fortemente.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.