Escolha as suas informações

Putin visita pela primeira vez soldados russos feridos
Mundo 25.05.2022
Guerra na Ucrânia

Putin visita pela primeira vez soldados russos feridos

Guerra na Ucrânia

Putin visita pela primeira vez soldados russos feridos

AFP
Mundo 25.05.2022
Guerra na Ucrânia

Putin visita pela primeira vez soldados russos feridos

Lusa
Lusa
Dirigindo-se a um deles, o Presidente russo afirmou que o seu filho de nove meses “ficará orgulhoso do pai”. O ministro da Defesa, Serguei Choigu, também esteve presente.

O Presidente russo, Vladimir Putin, visitou hoje pela primeira vez soldados russos feridos na Ucrânia, três meses após o início da ofensiva russa contra o país vizinho.

Segundo imagens transmitidas pela televisão russa, Putin, envergando uma bata branca, conversou com vários militares, inquirindo sobre as respetivas terras natais e situação familiar. Os soldados estavam de pé perto das suas camas e os seus ferimentos não eram visíveis.

Dirigindo-se a um deles, o Presidente russo afirmou que o seu filho de nove meses “ficará orgulhoso do pai”. O ministro da Defesa, Serguei Choigu, também esteve presente.

Guerra não está numa "nova fase", defende Moscovo

A Rússia só muito raramente divulga balanços do número de baixas na guerra da Ucrânia. Os números mais recentes foram divulgados a 25 de março e, na altura, o exército russo admitiu haver 1.351 militares mortos e 3.825 feridos.

O porta-voz de Putin tinha anteriormente indicado que esta visita, na altura em que a ofensiva na Ucrânia entra no seu quarto mês, não representa “uma nova fase”.

“A sua gestão do tempo simplesmente permitiu-lhe lá ir pessoalmente”, disse Dmitri Peskov.

Moscovo afirma que a sua “operação militar especial” na Ucrânia, iniciada a 24 de fevereiro, visa proteger a população russófona de um genocídio e “desnazificar” o país, para segurança da Rússia.

As autoridades asseguram também que ela está a decorrer como previsto, apesar de, perante a obstinada resistência ucraniana, Moscovo ter desistido no final de março da sua ofensiva a Kiev e ter concentrado as suas operações no leste do país.

Apesar dos intensos combates nos últimos três meses, o exército russo está a avançar com dificuldade, o que faz antever uma longa guerra de desgaste.

Na terça-feira, o ministro da Defesa russo e o secretário do Conselho de Segurança da Rússia deram ambos a entender que Moscovo terá de combater muito tempo na Ucrânia para alcançar os objetivos da sua intervenção.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas