Escolha as suas informações

Putin reconhece falta de medicamentos na Rússia
Mundo 24.01.2023
Guerra na Ucrânia

Putin reconhece falta de medicamentos na Rússia

Guerra na Ucrânia

Putin reconhece falta de medicamentos na Rússia

Foto: AFP
Mundo 24.01.2023
Guerra na Ucrânia

Putin reconhece falta de medicamentos na Rússia

Lusa
Lusa
É difícil comprar antibióticos de marca estrangeira Amoxiclav e Suprax , alguns oncológicos como o Tamoxifeno, ou o antipirético Nurofen.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, admitiu hoje que as farmácias russas registam escassez de alguns medicamentos e que os preços destes bens aumentaram apesar de o país ter passado a produzir mais medicamentos próprios.

“Ultimamente, os preços de alguns medicamentos têm crescido no nosso país e sente-se alguma escassez, apesar de estarmos a assistir a um aumento da produção de produtos farmacêuticos”, disse o chefe do Kremlin (presidência russa) numa reunião com membros do Governo.

Putin explicou que 60% do mercado nacional é atualmente composto por “medicamentos nacionais”, referindo que, apesar de a Rússia não proibir a importação de produtos farmacêuticos e trabalhar com fabricantes estrangeiros, alguns suspenderam atividades no país.

Por isso, adiantou, é “muito importante aumentar os nossos próprios esforços”.

As sanções ocidentais impostas à Rússia como resposta à invasão e guerra na Ucrânia excluem medicamentos e equipamentos médicos, mas a chegada destes bens ao país é dificultada pelas limitações aplicadas aos transportes, seguros e bancos.

Produção russa de medicamentos aumentou mais de 15%

O chefe do comité executivo do movimento pró-Governo Frente Popular, Mikhail Kuznetsov, disse hoje ter recebido várias denúncias sobre a impossibilidade de comprar medicamentos que exigem receita, como os antibióticos de marca estrangeira Amoxiclav e Suprax (para tratar infeções bacterianas), alguns oncológicos como o Tamoxifeno, assim como o antipirético Nurofen.

Segundo o ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, os preços da lista de medicamentos essenciais aumentaram 1,9% em 2022, enquanto outros subiram 10%, ficando, ainda assim, abaixo da taxa de inflação, que foi de 11,94%.

No ano passado, a produção russa de medicamentos aumentou mais de 15% em relação a 2021, de acordo com dados avançados pelo ministro russo da Indústria e Comércio, Denís Manturov.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.