Escolha as suas informações

Putin e Macron discutiram “garantias de segurança” de Moscovo
Mundo 2 min. 31.01.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Europa

Putin e Macron discutiram “garantias de segurança” de Moscovo

Guerra na Europa

Putin e Macron discutiram “garantias de segurança” de Moscovo

Foto (Arquivo): AFP
Mundo 2 min. 31.01.2022 Do nosso arquivo online
Guerra na Europa

Putin e Macron discutiram “garantias de segurança” de Moscovo

Lusa
Lusa
Os dois dirigentes, que também tinham falado na última sexta-feira, concordaram em prosseguir os contactos, mas também, segundo o Kremlin, em estudar “a possibilidade” de se encontrarem pessoalmente.

Os chefes de Estado russo e francês, Vladimir Putin e Emmanuel Macron, falaram hoje ao telefone, pela segunda vez em quatro dias, para discutir a crise na Ucrânia, revelaram fontes oficiais da Rússia e de França.

“A troca de pontos de vista prosseguiu sobre a situação na Ucrânia e a apresentação à Rússia de garantias de segurança de longo prazo e juridicamente estabelecidas”, disse o Kremlin em comunicado.

De acordo com a Presidência russa, Putin “falou mais uma vez em pormenor sobre abordagens fundamentais a esses problemas”.

Os dois dirigentes, que também tinham falado na última sexta-feira, concordaram em prosseguir os contactos, mas também, segundo o Kremlin, em estudar “a possibilidade” de se encontrarem pessoalmente.

“Esta interação segue-se às conversas do Presidente da República [Emmanuel Macron] com os seu homólogos russo e ucraniano na sexta-feira, 28 de janeiro, e insere-se na mesma lógica de cessar-fogo”, indicou, por sua vez, o Palácio do Eliseu.

De acordo com a Presidência francesa, os “dois presidentes saúdam o progresso positivo no Formato Normandia”, a configuração que abrange conversações com a Rússia, Ucrânia, Alemanha e França para resolver o conflito no leste ucraniano.

A Rússia é acusada pelos países ocidentais de ter reunido até 100.000 soldados na fronteira ucraniana, preparando-se para um ataque militar.


Reino Unido vai reforçar sanções contra a Rússia. Serão as "mais severas" de sempre
Novo regime de sanções será o “mais severo” alguma vez aplicado à Rússia e “a maior mudança” na abordagem do Reino Unido desde que o país abandonou a União Europeia. EUA também preparam sanções contra "membros da elite russa".

Reino Unido e EUA ameçam com novas sanções à Rússia

No entanto, os Estados Unidos e o Reino Unido intensificaram as ameaças de novas sanções contra a Rússia.

A Rússia tem negado qualquer plano para atacar a Ucrânia, exigindo garantias escritas para a sua segurança, incluindo a rejeição da adesão da Ucrânia à NATO e o fim do reforço militar da Aliança Atlântica no leste europeu.

Esta consideração, no entanto, foi rejeitada pelos Estados Unidos na última semana, numa resposta por escrito a Moscovo. O Kremlin disse que está a refletir sobre a sua reação.

Hoje, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, avisou que os Estados Unidos prepararam “sanções específicas contra membros da elite russa”, a aplicar se a Rússia atacar a Ucrânia, especificando que os alvos serão pessoas próximas do Kremlin.

Washington identificou “membros pertencentes ou a gravitar em torno do círculo interno do Kremlin”, adiantou Psaki, indicando que essas pessoas eram “alvos particularmente vulneráveis” para sanções, por causa das relações financeiras com alguns países ocidentais.

“Este é apenas um elemento entre outros, desejado por nós, para atingir a Rússia de todos os ângulos” no caso de um ataque, acrescentou.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

"Acabei de falar com o presidente americano (...). Devemos parar o agressor o mais rapidamente", escreveu Volodymyr Zelensky no Twitter, no final da conversa, que decorreu no sexto dia da invasão da Ucrânia pela Rússia.
O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.