Escolha as suas informações

PSOE ganha com menos três deputados e a extrema-direita mais que duplica
Mundo 2 min. 10.11.2019

PSOE ganha com menos três deputados e a extrema-direita mais que duplica

PSOE ganha com menos três deputados e a extrema-direita mais que duplica

Foto: AFP
Mundo 2 min. 10.11.2019

PSOE ganha com menos três deputados e a extrema-direita mais que duplica

Nuno RAMOS DE ALMEIDA
Nuno RAMOS DE ALMEIDA
A esquerda tem mais deputados que a direita, mas continua a depender os independentistas para ter maioria no Parlamento. Do lado da direita, Vox ganhou 28 deputados e Ciudadanos perdeu 47. Está tudo na mesma e Espanha parece ingovernável.

Há uns dias o conhecido jornalista Jordi Évola fez uma confissão: "Tive em junho uma conversa informal com duas pessoas da equipa de confiança de Pedro Sánchez. Acabavam de realizar-se as eleições europeias e estavam eufóricos. Num determinado momento perguntei-lhes se já sabiam quem iam ser os ministros, convencido como estava que haveria governo de coligação com Unidas Podemos. Olharam-me e sorriram e perguntaram-me porque razão estava tão confiante que haveria governo. Num primeiro momento, pensei que estavam a gozar comigo. Mas não, insistiram nessa ideia: 'porque razão voltar a repetir eleições tem que ser mau?'. Eu continuava a não acreditar no que ouvia, explicava-lhes que as pessoas começavam as estar muito fartas desta incapacidade de chegarem dos nossos políticos a chegarem a acordos, a esquerda tinha ganho as eleições em abril qual era a necessidade de voltar a jogar cartas e à roleta russa em novembro." 

A tática de Pedro Sánchez de repetir as eleições para governar sozinho não resultou. Encontra-se praticamente na situação saída das eleições de abril, só que com menos deputados e com um Parlamento com 52 deputados de extrema-direita. A Roleta russa correu mal. 

O PSOE ganha com 28% dos votos, elege 120 deputados, menos três parlamentares que em abril. 

O PP sobe 21 deputados, para 87 parlamentares, cresce para 20,8%, ainda assim muito abaixo dos tempos em que governava com Mariano Rajoy. Tem apenas o segundo pior resultado da sua história. O pior foi em abril. 

O grande vencedor destas eleições foi a extrema-direita, conseguiram 15,11% e passaram de 24 deputados para 52 parlamentares. Vox tornou-se a terceira força política de Espanha. 

Em quarto lugar ficaram as Unidas Podemos elegeram 35 deputados, com 12,8% dos sufrágios. Uma queda de sete parlamentares que não é compensada com a eleição de três deputados pelos dissidentes do Podemos juntos nas listas da Más País. 

O grande derrotado da noite foi o Ciudadanos que perderam 47 deputados e ficaram reduzidos a 6,79% e dez parlamentares. 

Neste novo Parlamento espanhol, Pedro Sánchez continua a precisar dos deputados do Unidos Podemos e do Más País para governar, mas não chega. Embora a esquerda tenha mais deputados que os três partidos de direita, para ter maioria no Parlamento precisa do voto dos independentistas ou pelo menos da sua abstenção.

Esta noite Pablo Iglesias mandou uma mensagem a Pedro Sánchez para começarem a conversar, como já o tinha feito em abril, mas Sánchez não respondeu. Tudo na mesma, portanto.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Espanha a 24 horas de saber se tem governo ou se volta às urnas
Já passam cinco meses das eleições legislativas e ainda não há qualquer acordo entre PSOE e Unidas Podemos que possa desbloquear o impasse de um país que espera uma solução governamental. Se até amanhã não for anunciado qualquer entendimento, Espanha regressa às urnas em novembro.
Bruxelas satisfeita com as eleições em Espanha
A esmagadora maioria do povo espanhol votou em partidos pró-europeus, salientou hoje o porta-voz da Comissão Europeia, indicando que Bruxelas está confiante de que o socialista Pedro Sánchez formará um Governo estável pró-União Europeia.