Escolha as suas informações

Primeiro militar russo acusado de crimes de guerra será julgado na Ucrânia
Mundo 11.05.2022
Invasão russa

Primeiro militar russo acusado de crimes de guerra será julgado na Ucrânia

Invasão russa

Primeiro militar russo acusado de crimes de guerra será julgado na Ucrânia

Foto: Yasuyoshi CHIBA / AFP
Mundo 11.05.2022
Invasão russa

Primeiro militar russo acusado de crimes de guerra será julgado na Ucrânia

Lusa
Lusa
Segundo a investigação do Ministério Público, a 28 de fevereiro, Shishimarin, de 21 anos, matou um homem desarmado que seguia de bicicleta pela estrada na localidade de Chupajivka. Enfrenta uma pena entre 10 e 15 anos de prisão ou prisão perpétua

Um comandante do exército russo capturado pela Ucrânia será o primeiro membro das Forças Armadas russas a ser julgado por crimes de guerra em território ucraniano, anunciou hoje a procuradora-geral do país, Iryna Venediktova.

Vadim Shishimarin, comandante da unidade 32010 da 4.ª Divisão Blindada da Guarda Kantemirovskaya, da região de Moscovo, sentar-se-á no banco dos réus pelo alegado assassínio de um civil na região de Sumy, no nordeste da Ucrânia, escreveu a procuradora-geral na sua conta da rede social Facebook.

Segundo a investigação do Ministério Público, a 28 de fevereiro, Shishimarin, de 21 anos, matou um homem desarmado que seguia de bicicleta pela estrada na localidade de Chupajivka.

Após um ataque do exército ucraniano, a coluna russa de que o comandante fazia parte desfez-se, e o acusado, juntamente com outros quatro soldados, fugiram num veículo civil confiscado à força.

Ao chegarem a Chupajivka, avistaram a vítima, de 62 anos, que ia a falar ao telemóvel, e Shishimarin disparou sobre a sua cabeça com uma metralhadora, para evitar que ele os delatasse às tropas ucranianas.

O comandante foi posteriormente capturado pelas forças de Kiev e, a 04 de maio, o Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) divulgou um vídeo em que ele confessava ter disparado contra um civil.

Shishimarin enfrenta entre 10 e 15 anos de prisão ou prisão perpétua se for condenado pelos crimes de que é acusado: violação das leis da guerra, em combinação com assassínio premeditado.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas