Escolha as suas informações

Presidente dos EUA vangloria-se em comício do ataque que matou general iraniano
Mundo 10.01.2020

Presidente dos EUA vangloria-se em comício do ataque que matou general iraniano

Presidente dos EUA vangloria-se em comício do ataque que matou general iraniano

Foto: AFP
Mundo 10.01.2020

Presidente dos EUA vangloria-se em comício do ataque que matou general iraniano

Horas antes, a Câmara dos Representantes dos EUA, presidida pela democrata Nancy Pelosi, aprovara uma resolução para limitar o poder do Presidente de iniciar operações militares contra o Irão, uma medida que ainda terá de ser aprovada pelo Senado.

 O Presidente norte-americano, Donald Trump, aproveitou o primeiro comício eleitoral do ano, em Ohio, para se vangloriar do ataque aéreo de sexta-feira passada em Bagdade que matou o general iraniano Qassem Soleimani.

No regresso à campanha eleitoral, na quinta-feira à noite, Trump declarou que o ataque contra Soleimani foi feito em nome da "Justiça americana" e minimizou os líderes democratas que o criticaram por não ter consultado previamente o Congresso.

Horas antes, a Câmara dos Representantes dos EUA, presidida pela democrata Nancy Pelosi, aprovara uma resolução para limitar o poder do Presidente de iniciar operações militares contra o Irão, uma medida que ainda terá de ser aprovada pelo Senado.

Ao discursar perante os apoiantes, o chefe de Estado não poupou as já habituais críticas a Pelosi e chamou o candidato às primárias Democratas Bernie Sanders, que também levantou objeções à forma como foi realizado o ataque contra Soleimani, de "Bernie maluco".

A crise com o Irão, que 'ofuscou' o iminente processo de destituição de Trump, também abriu uma nova frente na campanha presidencial do atual Presidente, que em 2016 prometeu acabar com o envolvimento norte-americano em "guerras intermináveis.".

O vice-Presidente dos EUA, Mike Pence, que se juntou a Trump no comício, disse que o Presidente merecia crédito por ter eliminado um "terrorista perigoso" e ao mesmo tempo por ter conseguido evitar uma escalada do conflito.

"Quando as vidas dos norte-americanos estavam ameaçadas pelo terrorista mais perigoso do mundo, o Presidente Donald Trump entrou em ação e Qasem Soleimani foi abatido", disse Pence.

"Na sequência desse ataque, o Irão respondeu, mas graças ao profissionalismo dos nossos militares, não sofremos nenhuma baixa e o Irão parece estar a desistir. Isto é liderança" declarou.

O Irão retaliou na madrugada de quarta-feira, lançando mísseis contra duas bases da coligação internacional anti-‘jihadista’, liderada pelos Estados Unidos, em Ain al-Assad e Erbil, no Iraque.

A televisão estatal iraniana referiu que aquela operação militar foi designada “Mártir Soleimani” e que matou “pelo menos 80 militares norte-americanos”, mas Donald Trump negou a existência de baixas.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Médio Oriente. A guerra por um fio
Os militares puseram ao presidente dos Estados Unidos várias hipóteses em cima da mesa. Não pensavam que escolhece a mais extrema das propostas.
Trump garante que “está tudo bem” e diz que fala hoje
Mais de uma dúzia de mísseis iranianos foram lançados esta quarta-feira de madrugada contra duas bases iraquianas, em Ain al-Assad e Arbil, que albergam tropas norte-americanas. Uma ação considerada uma operação de vingança na sequência da morte do general Qassem Soleimani.
Irão promete vingar morte de Soleimani
A sua morte “duplicou a determinação da nação iraniana e de outras nações livres da região de enfrentar a intimidação da América e de defender os valores islâmicos”, referiu o Presidente iraniano Hassan Rohani.
Protesters shout slogans against the United States and Israel as they hold posters with the image of top Iranian commander Qasem Soleimani, who was killed in a US airstrike in Iraq, and Iranian President Hassan Rouhani during a demonstration in the Kashmiri town of Magam on January 3, 2020. - Hundreds of people in Indian Kashmir staged "anti-American" demonstrations in the troubled territory on January 3 within hours of US forces killing a top Iranian commander. (Photo by Tauseef MUSTAFA / AFP)