Escolha as suas informações

Presidente da Rússia anuncia "mobilização parcial"
Mundo 21.09.2022
Guerra na Ucrânia

Presidente da Rússia anuncia "mobilização parcial"

Guerra na Ucrânia

Presidente da Rússia anuncia "mobilização parcial"

Foto: Kremlin/AFP
Mundo 21.09.2022
Guerra na Ucrânia

Presidente da Rússia anuncia "mobilização parcial"

Lusa
Lusa
A Rússia está pronta a utilizar "todos os meios" ao seu dispor para "se proteger", declarou Putin.

 O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou hoje uma "mobilização parcial" dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está quase a chegar ao sétimo mês do conflito, numa mensagem dirigida à nação.

A medida, que entra já em vigor, obedece à necessidade de defender a soberania e a integridade territorial do país, sublinhou o chefe de Estado russo, na mensagem transmitida pela televisão.

A Rússia, que invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, está pronta a utilizar "todos os meios" ao seu dispor para "se proteger", declarou Putin, que acusou o Ocidente de procurar destruir o país.

O anúncio de "mobilização parcial" dos russos em idade de combater abre caminho para uma escalada no conflito na Ucrânia.


A central nuclear de Zaporijia, em Enerhodar, no sul da Ucrânia.
Kiev acusa Rússia de novo bombardeamento contra central nuclear de Zaporijia
A central nuclear de Zaporijia, no sul da Ucrânia, é a maior da Europa.

"Considero necessário apoiar a proposta [do Ministério da Defesa] de mobilização parcial dos cidadãos na reserva, aqueles que já serviram (...) e com uma experiência pertinente", declarou.

"O decreto sobre a mobilização parcial foi assinado" e entra hoje em vigor hoje, acrescentou Putin, sublinhando "falar apenas de mobilização parcial", numa resposta a rumores surgidos nas últimas horas sobre uma mobilização geral.

Perante "a ameaça" que representa, para o Presidente russo, "o regime nazi de Kiev", apoiado financeira e militarmente pelo Ocidente, Moscovo vai utilizar "todos os meios ao seu dispor para proteger a Rússia" e o seu povo, advertiu Putin, numa alusão às armas nucleares.

"Isto não é um 'bluff'", avisou. "O objetivo do Ocidente é enfraquecer, dividir e destruir a Rússia", garantiu, através da supressão "dos centros de desenvolvimento soberanos e independentes" no mundo.

"Eles [os ocidentais] dizem abertamente que em 1991 conseguiram desmembrar a União Soviética e que agora chegou a vez da Rússia", acusou.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas