Escolha as suas informações

Polícia que matou George Floyd foi detido
Mundo 2 min. 29.05.2020

Polícia que matou George Floyd foi detido

Polícia que matou George Floyd foi detido

AFP
Mundo 2 min. 29.05.2020

Polícia que matou George Floyd foi detido

Lusa
Lusa
O polícia que asfixiou o mais recente símbolo dos protestos contra o racismo das autoridades está atrás das grades.

As autoridades de Minneapolis anunciaram, esta sexta-feira, a prisão do polícia envolvido na morte de George Floyd, um afro-americano de 46 anos, durante uma detenção naquela cidade do norte dos Estados Unidos.

“O polícia envolvido na morte de Floyd, que foi identificado como Derek Chauvin, foi colocado sob detenção” pela polícia criminal, declarou John Harrington, comissário do departamento de Segurança pública do Minnesota.

Harrington disse que os investigadores deste Estado norte-americano prenderam Derek Chauvin, um dos quatro polícias que foram despedidos esta semana pelo sucedido, mas não forneceu mais detalhes.

O procurador que vai dirigir o processo de acusação, e quando também decorreram protestos frente a sua casa, deverá prestar declarações hoje à noite (hora local), indicou a agência noticiosa Associated Press (AP).

Previamente, o chefe da polícia de Minneapolis, Medaria Arradondo, disse que o departamento vai conduzir uma investigação interna completa e também a procuradoria e o FBI disseram que farão inquéritos separados para tentar apurar responsabilidades.

A morte de George Floyd na segunda-feira provocou manifestações que degeneraram em tumultos em Minneapolis, no Minnesota, norte do país.

A cidade de Minneapolis registou uma terceira noite de tumultos e protestos pela morte de George Floyd, com a Guarda Nacional dos EUA a destacar 500 soldados para tentar controlar a situação.

Milhares de pessoas saíram de novo à rua na quinta-feira em protestos que acabaram em motins e saques, tendo já provocado a morte de um lojista que procurava evitar um roubo.

Na quinta-feira, o governador do Estado do Minnesota, Tim Walz, assinou um decreto para autorizar a intervenção da Guarda Nacional que, esta manhã destacou 500 soldados para a cidade de Minneapolis.

Também o Presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu tudo fazer para travar a violência em Minneapolis, usando a sua conta pessoal na rede social Twitter para avisar que se os motins prosseguissem seriam enfrentados com "tiros" das autoridades.

De acordo com um comunicado da Guarda Nacional, os soldados destacados para Minneapolis “oferecerão apoio às autoridades civis, desde que solicitadas, para garantir a segurança de pessoas e bens”.

Durante a madrugada, os soldados já participaram em várias missões, ao lado de bombeiros e polícias, contra “distúrbios civis”, segundo o mesmo comunicado.

Para além deste reforço militar, também 200 polícias estaduais, com vários helicópteros de apoio, foram mobilizados, depois de na noite de quinta-feira a violência ter continuado nas ruas de Minneapolis, com um posto de polícia a ser incendiado, no norte da cidade, e com dezenas de lojas saqueadas.

Os manifestantes começaram a reunir-se no início da tarde de quarta-feira, na parte sul da cidade, onde George Floyd tinha sido morto, depois de um polícia se ter ajoelhado sobre o seu pescoço, até ele ficar inconsciente.

A polícia alegou que o homem resistiu à prisão, mas novas imagens, captadas pelas câmaras do restaurante em frente ao qual ocorreu a detenção, mostraram Floyd a ser conduzido para a viatura policial, de mãos algemadas nas costas e sem oferecer resistência.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Trump ordena retirada da Guarda Nacional da capital Washington
A ordem surge no mesmo dia em que alguns meios de comunicação social revelaram, com base no testemunho de um funcionário do governo, que o presidente terá proposto avançar com 10.000 militares para as ruas de Washington e de outras cidades para conter os protestos.