Escolha as suas informações

Polícia diz não existirem indícios de terrorismo no esfaqueamento em Haia
Mundo 01.12.2019

Polícia diz não existirem indícios de terrorismo no esfaqueamento em Haia

Polícia diz não existirem indícios de terrorismo no esfaqueamento em Haia

Mundo 01.12.2019

Polícia diz não existirem indícios de terrorismo no esfaqueamento em Haia

O ataque ocorreu na sexta-feira, numa zona comercial bastante movimentada no centro de Haia, tendo feito três feridos: duas raparigas de 15 anos e um rapaz de 13 anos.

A polícia holandesa disse hoje não ter encontrado indícios que apontem para uma eventual motivação terrorista no esfaqueamento ocorrido na sexta-feira numa zona comercial de Haia, Holanda, que fez três feridos.

“Até agora, não há indícios que apontem para um possível motivo terrorista”, afirmou a polícia, após ter interrogado um homem de 35 anos, identificado pelas autoridades como um sem-abrigo, que foi detido no sábado por suspeitas de envolvimento no ataque.

Segundo a polícia, as investigações sobre os possíveis motivos deste ataque vão prosseguir.

O ataque ocorreu na sexta-feira, numa zona comercial bastante movimentada no centro de Haia, tendo feito três feridos: duas raparigas de 15 anos e um rapaz de 13 anos.

Os três adolescentes, que não se conheciam, foram assistidos no hospital e tiveram alta ainda na sexta-feira.

A detenção do suspeito foi anunciada no sábado à tarde pela polícia holandesa.

“Na sequência da agressão com faca cometida em Grote Marktstraat, acaba de ser detido um homem de 35 anos, no centro de Haia”, indicou, no sábado, a polícia.

Na mesma ocasião, a polícia informou que o suspeito não tinha uma "residência fixa"

“Vai ser transferido para uma esquadra da polícia onde será interrogado”, acrescentou ainda a polícia.

Este esfaqueamento em Haia aconteceu no mesmo dia, poucas horas depois, em que um homem, que envergava um colete com explosivos falsos, atacou com uma faca várias pessoas em Londres.

Duas pessoas morreram no ataque na capital britânica e o atacante, que estava referenciado pela polícia e tinha sido condenado em 2012 por crimes de terrorismo, foi morto a tiro pelas forças policiais.

Lusa


Notícias relacionadas