Escolha as suas informações

Pentágono admite não ter provas de que Soleimani planeava ataques a embaixadas
Mundo 12.01.2020

Pentágono admite não ter provas de que Soleimani planeava ataques a embaixadas

Pentágono admite não ter provas de que Soleimani planeava ataques a embaixadas

AFP
Mundo 12.01.2020

Pentágono admite não ter provas de que Soleimani planeava ataques a embaixadas

EUA deram ordem para executar, mas não tinham qualquer prova contra o general Qassem Soleimani.

O secretário da Defesa norte-americano admitiu, este domingo, não ter visto qualquer "prova" concreta de que o general iraniano Qassem Soleimani, morto numa ação militar ordenada por Washington, estaria a planear ataques contra embaixadas norte-americanas, como avançou Donald Trump.

"O Presidente( norte-americano Donald Trump) não referiu uma prova em concreto e eu não vi nenhuma, no que diz respeito às quatro embaixadas", admitiu Mark Esper, numa entrevista ao canal norte-americano CBS News.

O chefe do Pentágono esclareceu, no entanto, que apoia as declarações de Trump, concordando na probabilidade de os iranianos atacarem embaixadas "porque são um ponto de destaque da presença dos Estados Unidos num país".

Esta entrevista a Mark Esper vem acrescentar mais dúvidas sobre as declarações feitas por Donald Trump na passada sexta-feira a um outro canal de televisão norte-americano.

Numa entrevista ao canal Fox News, Trump tentou justificar a ação militar contra o general iraniano, tendo afirmado que acreditava que o Irão pretendia atacar, a par da embaixada norte-americana em Bagdad, outras três representações diplomáticas dos Estados Unidos.

Inicialmente, o governante disse que o general iraniano planeava ataques indefinidos contra alvos norte-americanos, tendo posteriormente especificado que o alvo era a representação diplomática dos Estados Unidos em Bagdad.

Mais tarde, Trump voltou a acrescentar informações e falou em ataques contras outras missões diplomáticas.

O importante general Qassem Soleimani, emissário da República Islâmica no Iraque, foi morto em 03 de janeiro num ataque em Bagdad ordenado por Washington.

Em retaliação, o Irão lançou uma salva de mísseis sobre bases com militares norte-americanos no Iraque.

Lusa


Notícias relacionadas

Irão promete vingar morte de Soleimani
A sua morte “duplicou a determinação da nação iraniana e de outras nações livres da região de enfrentar a intimidação da América e de defender os valores islâmicos”, referiu o Presidente iraniano Hassan Rohani.
Protesters shout slogans against the United States and Israel as they hold posters with the image of top Iranian commander Qasem Soleimani, who was killed in a US airstrike in Iraq, and Iranian President Hassan Rouhani during a demonstration in the Kashmiri town of Magam on January 3, 2020. - Hundreds of people in Indian Kashmir staged "anti-American" demonstrations in the troubled territory on January 3 within hours of US forces killing a top Iranian commander. (Photo by Tauseef MUSTAFA / AFP)