Escolha as suas informações

Pedofilia. Alemanha investiga 30 mil suspeitos
Mundo 2 min. 29.06.2020

Pedofilia. Alemanha investiga 30 mil suspeitos

Pedofilia. Alemanha investiga 30 mil suspeitos

Foto: dpa/Patrick Pleul
Mundo 2 min. 29.06.2020

Pedofilia. Alemanha investiga 30 mil suspeitos

O caso que rebentou no ano passado investiga uma rede de distribuição de pornografia infantil, numa altura em que o país discute o levantamento do anonimato dos predadores sexuais.

As autoridades alemãs incluiram mais de 30 mil suspeitos no mega processo que está a abalar a região da Renânia do Norte-Vestefália, onde o escândalo de pedofilia rebentou no outono do ano passado. "Nem de longe esperava a escala do abuso de crianças na Internet", alarmou o ministro da justiça do estado da Alemanha Ocidental, Peter Biesenbach, esta segunda-feira. 

O caso que teve origem numa denuncia das autoridades do Canadá tem por base uma rede de distribuição de pornografia infantil. Até ao momento, cerca de 70 pessoas da cidade de Bergisch Gladbach foram apontadas como suspeitas no caso. Acusado de gerir a página, o único detido é o homem de 42 anos que começa a ser julgado em agosto. 

Durante as buscas efetuadas ao apartamento deste indivíduo, os investigadores depararam-se com milhares de ficheiros com pornografia infantil. Além disso, identificaram grupos e salas de chat online com milhares de participantes. São estes 30 mil que estão agora na mira das autoridades germânicas. 

40 vítimas identificadas 

"Queremos retirar do anonimato da Internet aqueles que são responsáveis pelos abusos a crianças e aqueles que os apoiam", comprometeu-se o responsável pelo inquérito que identificou pelo menos 40 vítimas. 

"Os perpetradores que comunicam nos fóruns vêem o abuso de crianças como normal e encontram um grande número de pessoas com os mesmos sentimentos. Os limiares de inibição estão a cair. E é isto que caracteriza esta situação em termos de direito penal", advertiu Peter Biesenbach. 

"Se queremos combater activamente o abuso de crianças na Internet, precisamos também de falar de regulamentação legal sobre armazenamento de dados. Um não funciona sem o outro", acrescentou numa altura em que a Alemanha discute medidas mais gravosas a aplicar aos condenados por crimes de abuso sexual de menores. 

Levantar o anonimato 

Uma das opções que se discute é o levantamento do anonimato dos predadores sexuais que distribuem, partilham e recebem pornografia infantil. A discussão tem vindo a ganhar forma com o aumento exponencial do número de casos travados pelas autoridades. 

Só este ano, em junho, 11 pessoas foram detidas por suspeitas de abuso sexual de menores, depois da polícia ter apreendido centenas de vídeos e fotografias de crianças na ave de um homem de 27 anos em Münster, também na Renânia do Norte-Vestefália. Antes, em Lügde, na mesma região, vários homens foram também detios por suspeita de terem abusado de crianças várias centenas de vezes  num parque de campismo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.