Escolha as suas informações

Parlamento sírio reconhece genocídio arménio em clima de tensão com a Turquia
Mundo 3 min. 13.02.2020

Parlamento sírio reconhece genocídio arménio em clima de tensão com a Turquia

Bashar al-Assad

Parlamento sírio reconhece genocídio arménio em clima de tensão com a Turquia

Bashar al-Assad
Foto: AFP
Mundo 3 min. 13.02.2020

Parlamento sírio reconhece genocídio arménio em clima de tensão com a Turquia

Lusa
Lusa
Esta medida assinala o reconhecimento pela Síria das perseguições ao povo arménio e surge após o Líbano ter adotado idêntica posição.

O parlamento sírio reconheceu hoje oficialmente como “genocídio” o massacre de cerca de 1,5 milhões de arménios entre 1915 e 1917, num momento em que se agrava a tensão com a Turquia após confrontos mortíferos no noroeste da Síria.

O texto da resolução do parlamento, votada por unanimidade, “condena e reconhece o crime de genocídio cometido contra os arménios pelo Estado otomano no início do século XX e condena a tentativa de qualquer parte de negar este crime e distorcer a verdade histórica”, informou a agência noticiosa oficial SANA.

O texto refere-se ainda a “um dos crimes mais cruéis e duros contra a humanidade”.

O Governo sírio reconheceu o genocídio arménio em 2015 e responsáveis oficiais, incluindo o Presidente Bashar al-Assad, têm utilizado o termo “genocídio” nas suas declarações quando se referem à sistemática eliminação de cerca de 1,5 milhões de arménios entre 1915 e 1923.

Em 2015, o parlamento sírio homenageou as vítimas de “genocídio”, mas não adotou uma decisão oficial de condenação.

Esta medida assinala o reconhecimento pela Síria das perseguições ao povo arménio e surge após o Líbano ter adotado idêntica posição, sendo os únicos países árabes que ainda não tinham adotado esta posição oficial.

Após as perseguições, parte da diáspora arménia instalou-se no Líbano e Síria, onde construíram grandes comunidades e partidos políticos significativos nos dois países.

O porta-voz do parlamento sírio, Hammouda Sabbagh, manifestou na sessão de hoje a sua “simpatia pelo povo arménio” e reconheceu “os arménios, sírios e assírios e outros como vítimas das sistemáticas liquidações étnicas e massacres pelos otomanos”, segundo a SANA.

A República da Turquia, fundada em 1923 e proveniente da dissolução do Império otomano, reconhece os massacres, mas recusa o termo de genocídio, ao referir-se a uma guerra civil na Anatólia e fome generalizada, que terá vitimado entre 300.000 e 500.000 arménios e um número semelhante de turcos.

Numerosos historiadores e universitários concluíram que a deportação e o massacre de arménios durante a Primeira Guerra Mundial correspondem à definição jurídica de genocídio.

Cerca de 30 países adotaram leis, resoluções ou moções que reconhecem o genocídio.

Este reconhecimento pelo parlamento de Damasco surge num contexto de fortes tensões entre a Síria e a Turquia. Na quarta-feira, o Presidente turco Recep Tayyip Erdogan ameaçou atacar o regime sírio “em todo o lado” em caso de novo ataque contra as forças turcas.

“O confronto dos nossos heroicos soldados (…) sob a liderança do Presidente Bashar al-Assad com a brutal agressão turca é uma ação histórica, que tem como objetivo evitar o surgimento de um novo monstro otomano que conclua os velhos crimes otomanos”, disse o portavoz del Parlamento sirio, Hammouda Sabbagh.

A Turquia ocupou uma vasta área do nordeste da Síria na sua ofensiva contra os curdos sírios, e ainda na região noroeste, onde apoia os rebeldes sírios e mantém tropas estacionadas, na sequência de um acordo com a Rússia.

Nas últimas semanas a tensão entre Ancara e Damasco agravou-se, com trocas de disparos de artilharia que provocaram dezenas de vítimas nos dois lados rivais, e a Síria continua a insistir na retirada total das tropas turcas do seu território.


Notícias relacionadas