Escolha as suas informações

Parlamento catalão declara independência unilateral
Mundo 7 27.10.2017 Do nosso arquivo online

Parlamento catalão declara independência unilateral

Carles Puigdemont no momento do voto.

Parlamento catalão declara independência unilateral

Carles Puigdemont no momento do voto.
Foto: AFP
Mundo 7 27.10.2017 Do nosso arquivo online

Parlamento catalão declara independência unilateral

O parlamento regional da Catalunha aprovou hoje, em Barcelona, a independência da região e a separação de Espanha numa votação sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

O parlamento regional da Catalunha aprovou, em Barcelona, a independência da região e a separação de Espanha numa votação sem a presença dos principais partidos que se opõem à proposta, que abandonaram a sala minutos antes.

O projeto de declaração unilateral de independência foi aprovado por 70 votos a favor, 10 contra e dois em branco, num órgão composto por um total de 135 deputados.

Antes do início da votação, os deputados dos partidos mais importantes que defendem a continuação da união com Espanha, em minoria, abandonaram a assembleia.

Os deputados do Ciudadanos, do Partido Socialista da Catalunha e do Partido Popular deixaram algumas bandeiras de Espanha nos lugares que agora estão vazios.

Já os deputados independentistas, assim como a assistência que ocupava os lugares para o público, cantaram o hino da Catalunha logo a seguir à votação.

Os parlamentares independentistas cumprimentaram-se, sorridentes, depois da aprovação da declaração de independência, mas sem a euforia que um momento tão importante levaria a pensar.

O parlamento regional aprovou a independência da região antes de o Senado espanhol em Madrid, ainda esta tarde, chegar a um acordo que deverá permitir ao Governo central intervir na Catalunha para restabelecer a “legalidade Institucional.

O projeto de independência prevê a redação de uma Constituição para a nova República e a abertura de negociações “em pé de igualdade” com o Governo espanhol com o objetivo de iniciar um novo período de cooperação entre as duas partes.



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Catalunha. A guerra no paraíso
Um ano e um dia depois do 1 de outubro, em que milhões de catalães votaram sob cargas policiais que deixaram quase um milhar de feridos, a violência voltou às ruas. Os polícias foram pintados de todas as cores e os manifestantes tentaram tomar o parlamento. Aqui fica uma crónica datada de uma guerra que não acabou.