Escolha as suas informações

Paris/Atentados: Português morto junto ao Estádio de França tinha 63 anos e trabalhava em Paris
Mundo 14.11.2015

Paris/Atentados: Português morto junto ao Estádio de França tinha 63 anos e trabalhava em Paris

Paris/Atentados: Português morto junto ao Estádio de França tinha 63 anos e trabalhava em Paris

Foto: AFP
Mundo 14.11.2015

Paris/Atentados: Português morto junto ao Estádio de França tinha 63 anos e trabalhava em Paris

O português que morreu nos atentados terroristas de sexta-feira em Paris tinha 63 anos, trabalhava em serviços de transportes/turismo e encontrava-se perto do Estádio de França, disse hoje à Lusa fonte oficial.

O português que morreu nos atentados terroristas de sexta-feira em Paris tinha 63 anos, trabalhava em serviços de transportes/turismo e encontrava-se perto do Estádio de França, disse hoje à Lusa fonte oficial.

Segundo adiantou o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, a vítima portuguesa trabalhava e residia em França.

Até ao momento, assegurou, não há indicação de haver mais vítimas mortais ou feridos de nacionalidade portuguesa nos atentados de Paris, estando a Embaixada e o Consulado de Portugal na capital francesa a recolher informações das autoridades locais.

José Cesário alertou para o facto de a França contabilizar como vítimas francesas os cidadãos que possuem dupla nacionalidade, razão pela qual não será de excluir que entre as vítimas possa estar alguém que tenha a cidadania portuguesa.

A informação de que havia um cidadão português morto junto ao Estádio de França nos atentados foi avançada à Lusa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Pelo menos 127 pessoas morreram e 180 ficaram feridas, 80 dos quais em estado crítico, em diversos atentados em Paris, na sexta-feira à noite, segundo fontes policiais francesas.

Oito terroristas, sete deles suicidas, que usaram cintos com explosivos para levar a cabo os atentados, morreram, segundo as mesmas fontes.

Os ataques ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o estádio nacional, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como “ataques terroristas sem precedentes no país”.


Notícias relacionadas