Escolha as suas informações

Papa pede acolhimento digno e humano para refugiados do campo na ilha grega de Lesbos
Mundo 13.09.2020

Papa pede acolhimento digno e humano para refugiados do campo na ilha grega de Lesbos

Papa pede acolhimento digno e humano para refugiados do campo na ilha grega de Lesbos

Foto: AFP
Mundo 13.09.2020

Papa pede acolhimento digno e humano para refugiados do campo na ilha grega de Lesbos

Lusa
Lusa
Às pessoas que têm responsabilidade pública, Francisco exortou-as "a ouvir a voz dos seus cidadãos e as suas justas aspirações, respeitando sempre os direitos humanos e as liberdades civis”.

O Papa Francisco manifestou este domingo, 13 de setembro, a sua solidariedade aos cerca de 12.000 refugiados do campo destruído pelo fogo em Moria, na ilha de Lesbos, na Grécia, e pediu um acolhimento digno e humano para estas pessoas.

"Nos últimos dias, vários incêndios destruíram o campo de Moria na ilha de Lesbos, deixando milhares de pessoas, refugiadas, sem um abrigo", disse Francisco, após a oração do ‘Angelus’, na janela do palácio papal.

A seguir, recordou a sua visita ao campo de refugiados de Lesbos em 2016, na companhia do patriarca ortodoxo Bartolomeu, e durante a qual pediu "um acolhimento digno e humano aos refugiados e aos que procuram asilo na Europa".

"Expresso a minha solidariedade e proximidade a todas as pessoas [vítimas] neste incêndio dramático", acrescentou.

O Papa também se referiu às manifestações de protesto que estão a ocorrer em várias partes do mundo e pediu aos manifestantes "que o façam de forma pacífica e sem ceder à agressividade e à violência".

Às pessoas que têm responsabilidade pública, Francisco exortou-as "a ouvir a voz dos seus cidadãos e as suas justas aspirações, respeitando sempre os direitos humanos e as liberdades civis”.

Na sua reflexão antes da oração do ‘Angelus’, o papa abordou a necessidade de perdão.

“Quanto sofrimento, quantas divisões, quantas guerras poderiam ser evitadas, se o perdão e a misericórdia fossem o estilo de nossa vida”, disse.

Francisco defendeu que “é necessário aplicar o amor misericordioso em todas as relações humanas”: entre os esposos, entre os pais e os filhos, nas comunidades e também na sociedade e na política.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas