Escolha as suas informações

Papa Francisco visita a Irlanda com a pedofilia na agenda

Papa Francisco visita a Irlanda com a pedofilia na agenda

Foto: Reuters
Mundo 2 min. 25.08.2018

Papa Francisco visita a Irlanda com a pedofilia na agenda

É a primeira presença do líder da Igreja nas últimas quatro décadas e vai durar apenas 36 horas.

O Papa Francisco chega hoje à Irlanda para uma visita de 36 horas, durante o Encontro Mundial das Famílias. Pela primeira vez nos últimos 40 anos, um Sumo Pontífice pisa solo irlandês e, conforme tem sucedido, sobretudo nos últimos tempos, os casos de pedofilia que envolvem religiosos vão ser um dos assuntos em foco.

Na Irlanda, um dos países mais católicos do mundo, com cerca de 80% o relatório da comissão Ryan revelou, há nove anos, que mais de 25 mil menores foram violados por quatro centenas de religiosos entre 1914 e 2000 e as vítimas não deixaram de pedir que sejam adotadas medidas para combater a continuação dos abusos. Depois do documento, os bispos Moriarty, Murray, Walsh e Field demitiram-se de funções num contexto de descoberta de manobras para que não se descobrissem as inúmeras violações, incluindo acordos extrajudiciais que impedissem condenações de elementos da Igreja. Como os nomes dos responsáveis não foram apresentados publicamente, a Igreja apenas teve de pagar 10% das indemnizações totais, no valor de 1,2 mil milhões de euros, que o Estado assumiu perante metade dos casos. Entretanto, há três anos, os irlandeses tornaram legal o casamento entre pessoas do mesmo sexo e, em 2017, escolheram um homossexual (Leo Varadkar) para liderar o governo, cabendo-lhe agora acolher o Papa. 

O Papa chega à Irlanda num momento conturbado da Igreja, em especial devido a mais um escândalo, desta vez na Pensilvânia - mais de mil menores foram alvo de abusos por parte de três centenas de religiosos -, e após ter endereçado uma carta aos fiéis na qual admitia que as crianças tinham sido deixadas sem apoio, criticando duramente os abusos cometidos por religiosos ao longo dos anos e pedindo mesmo desculpa pelo mal causado. Na semana passada, o arcebispo de Dublin lembrou ao Papa que pedir desculpa não é suficiente, "tem de acabar-se com as estruturas que permitiram os abusos".

Este domingo, Francisco marcará presença na missa marcada para Phoenix Park perante cerca de meio milhão de fiéis. Mas, de acordo com uma campanha em curso através das redes sociais, o Papa deverá também cruzar-se com uma série de manifestações contra a Igreja.

João Paulo II, em 1979, fora o último Papa a visitar a Irlanda.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Ex-núncio dos EUA pede que o Papa se demita
O ex-núncio nos Estados Unidos, Carlo Maria Viganò, pediu a renúncia do Papa, assegurando que Francisco conhecia desde 2013 as acusações de abusos sexuais sobre o cardeal Theodore McCarrick, sancionado em junho. Segundo a carta, foi o próprio arcebispo Viganò quem confirmou os abusos a Francisco.