Escolha as suas informações

Papa evoca "vergonha" pelo "fracasso" da igreja perante os abusos na Irlanda

Papa evoca "vergonha" pelo "fracasso" da igreja perante os abusos na Irlanda

Foto: Danny Lawson/PA Wire/dpa
Mundo 22 25.08.2018

Papa evoca "vergonha" pelo "fracasso" da igreja perante os abusos na Irlanda

O papa Francisco evocou hoje, em Dublin, a sua “vergonha” e o seu “sofrimento” face ao “fracasso das autoridades eclesiásticas” para combater de forma adequada os “crimes ignóbeis” do clérigo na Irlanda.

“O fracasso das autoridades eclesiásticas – bispos, superiores religiosos, padres e outros – para combater de forma adequada estes crimes ignóbeis suscitou justa indignação e continua a ser motivo de sofrimento e de vergonha da comunidade católica. Eu próprio, partilho estes sentimentos”, declarou perante as autoridades políticas e civis irlandesas, pouco após a chegada ao país.

O primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, pediu ao papa Francisco para usar a sua “posição” e influência para garantir que seja assegurada “justiça” às vítimas de abusos cometidos pelos eclesiásticos “no mundo inteiro”.

“As feridas estão ainda abertas e há muito a fazer para que as vítimas e os sobreviventes obtenham justiça, verdade e recuperação. Santo Padre, peço-lhe que use a sua posição e influência para que assim se cumpra aqui na Irlanda e no mundo inteiro”, declarou Leo Varadkar durante a visita do sumo pontífice à Irlanda.

O papa Francisco iniciou hoje uma visita de 36 horas à Irlanda para participar no Encontro Mundial das Famílias, em Dublin.

Na Irlanda, um dos países mais católicos do mundo, com cerca de 80% o relatório da comissão Ryan revelou, há nove anos, que mais de 25 mil menores foram violados por quatro centenas de religiosos entre 1914 e 2000 e as vítimas não deixaram de pedir que sejam adotadas medidas para combater a continuação dos abusos.

Entretanto, há três anos, os irlandeses tornaram legal o casamento entre pessoas do mesmo sexo e, em 2017, escolheram um homossexual (Leo Varadkar) para liderar o governo, cabendo-lhe agora acolher o Papa. 

João Paulo II, em 1979, fora o último Papa a visitar a Irlanda.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Ex-núncio dos EUA pede que o Papa se demita
O ex-núncio nos Estados Unidos, Carlo Maria Viganò, pediu a renúncia do Papa, assegurando que Francisco conhecia desde 2013 as acusações de abusos sexuais sobre o cardeal Theodore McCarrick, sancionado em junho. Segundo a carta, foi o próprio arcebispo Viganò quem confirmou os abusos a Francisco.