Escolha as suas informações

Pandemia já matou mais de 313 mil e infetou quase 4,7 milhões em todo o mundo
Mundo 2 min. 17.05.2020 Do nosso arquivo online

Pandemia já matou mais de 313 mil e infetou quase 4,7 milhões em todo o mundo

Pandemia já matou mais de 313 mil e infetou quase 4,7 milhões em todo o mundo

Foto: DR
Mundo 2 min. 17.05.2020 Do nosso arquivo online

Pandemia já matou mais de 313 mil e infetou quase 4,7 milhões em todo o mundo

Lusa
Lusa
Pelo menos 1.670.100 estão considerados curados. Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada ao novo coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado pelo novo coronavírus.

A pandemia da covid-19 já provocou a morte a pelo menos 313.611 pessoas e infetou 4.680.700 em 196 países e territórios, segundo um relatório elaborado pela AFP e divulgado hoje às 19:00 TMG (20:00 em Lisboa).

Entre estes casos, pelo menos 1.670.100 são agora considerados curados, adianta a mesma fonte.

Desde a contagem realizada no sábado, foram contabilizados mais 4.315 mortos e 91.849 novos casos de infeção pelo novo coronavírus em todo o mundo, tendo os Estados Unidos da América sido o país que apresentou mais vítimas mortais nas últimas 24 horas, com 1.216, seguido pelo Brasil, com 816 mortos, e da França, com 483.

Os Estados Unidos, que registaram a primeira morte ligada ao novo coronavírus no início de fevereiro, constituem o país mais afetado tanto em número de mortos (89.207) como em casos de infeções (1.478.241 pessoas).


Covid-19. Itália acentua descida com 145 mortes e 675 casos em 24 horas
A tendência de baixa registada na curva epidemiológica levou o governo italiano a acelerar o desconfinamento, permitindo a reabertura de praticamente todos os estabelecimentos comerciais a partir desta segunda-feira, 18 de maio.

No segundo lugar da lista dos mais afetados consta o Reino Unido, com 34.636 óbitos em 243.303 casos relatados, seguido da Itália, com 31.908 mortos entre os 225.435 infetados, e a França, com 28.108 vítimas mortais em 179.569 casos.

O quinto lugar volta a ser ocupado pela Espanha, que soma 27.650 mortos em 231.350 infetados.

Entre os países mais atingidos, situa-se a Bélgica que tem a maior proporção de mortes relativamente ao total da sua população, apresentando 78 mortos por cada 100.000 habitantes, seguida pela Espanha (59), Itália (53), Reino Unido (51) e França (43).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a pandemia começou no final de dezembro, contabiliza oficialmente um total de 82.947 casos (seis novos infetados desde sábado), incluindo 4.634 mortes (uma nova) e 78.227 curados.

O Nepal e Madagáscar anunciaram, nas últimas 24 horas, as primeiras mortes ligadas ao novo coronavírus nos seus territórios.


Grécia
Calor e desconfinamento. O primeiro teste às praias já começou [fotogaleria]
A subida das temperaturas levou a que muitos europeus, e não só, procurassem as praias, depois do começo do desconfinamento. Este fim de semana foi um primeiro teste à época balnear que se avizinha.

Em Portugal e segundo a Direção-Geral da Saúde, o número de mortes atingiu hoje os 1.218, mais 15 do que no sábado, e 29.036 infetados, mais 226 casos.

A Europa totalizava hoje, às 20:00 de Lisboa, 166.647 mortes em 1.890.453 casos, os Estados Unidos da América e o Canadá 95.077 mortes (em 1.555.185 casos), a América Latina e Caraíbas 28.715 mortes (em 508.623 casos), a Ásia 12.176 mortes (em 355.378 casos), o Médio Oriente 8.135 mortes (em 279.994 casos), a África 2.735 mortes (em 82.684 casos) e a Oceânia 126 mortes (em 8.391 casos).

A contabilização da AFP foi feita com dados fornecidos pelas autoridades nacionais competentes e pela Organização Mundial da Saúde às delegações da agência de notícias francesa.

A agência alerta que os números da evolução de mortes e infeções pela covid-19 nas últimas 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior devido a correções feitas pelas autoridades ou à publicação tardia de dados.

Além disso, refere a AFP, o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do número real de infeções, já que um grande número de países testa apenas os casos que requerem tratamento hospitalar.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas