Escolha as suas informações

OPINIÃO, por Hugo Guedes - É preciso que nada mude para que tudo continue a piorar
Mundo 3 min. 25.09.2013

OPINIÃO, por Hugo Guedes - É preciso que nada mude para que tudo continue a piorar

"O Leopardo", escrito pelo italiano di Lampedusa, é universalmente reconhecido como um dos grandes romances históricos de sempre (e o filme de 1961, com Claudia Cardinale, é também uma obra-prima). Em ambos, livro e filme, o personagem central, Don Fabrizio Corbera, declama as suas imortais palavras para justificar os seus actos de perpetuação do poder da família: "É preciso que algo mude para que tudo fique na mesma".

No domingo, 66 milhões de alemães em idade de votar (13 % da população da UE) foram chamados a escolher o líder da Europa. Sem surpresa, a escolha recaiu na senhora Merkel, a candidata do status quo.

Nada mudará no rumo traçado nos últimos anos – e se nada muda, não podemos esperar que tudo fique na mesma, antes que o "novo normal" seja, paulatina e seguramente, um pouco pior. Esse pior, naturalmente, depende da perspectiva do observador.

A regressão económica, mesmo civilizacional, que a Europa sofreu nos últimos anos não é subjectiva, é relativamente fácil de medir; mas esse raciocínio não é válido para a Alemanha, que no meio de uma crise longa e generalizada faz figura de oásis – cinzento e regrado, mais ainda assim um oásis.

Logicamente, para o eleitorado alemão a argumentação para uma mudança política é muito fraca: as exportações do país continuam saudáveis, a taxa de desemprego é a mais baixa de continente, os contribuintes alemães não sacrificam um milímetro do seu bem-estar para auxiliar os seus congéneres europeus que vivem do lado errado do euro – euro do qual até agora o próprio país retirou os maiores benefícios, tangíveis ou intangíveis. De facto, porquê mudar?

Para mim a surpresa residiu sim nas grandes expectativas que a Europa, e sobretudo os países da periferia em dificuldades, tinham em relação a esta eleição.

A ilusão narrava que para que a Alemanha fosse mais solidária, mais decidida e assumisse mais as responsabilidades – e os custos – da sua agora incontestada liderança, bastaria que Merkel perdesse as eleições para uma coligação de esquerda; quando se tornou evidente que tal não aconteceria, a esperança passou a residir numa "grande coligação" CDU-SPD; e agora que essa mesma se afigura provável, crescem as suspeitas de que a política dos "pequenos passos", fazendo apenas o estritamente necessário para que o euro – e a Europa – não se desintegrem, vai manter-se imperturbável.

CDU e SPD, os dois maiores partidos alemães, não divergem substancialmente na sua receita de consenso, forjada na grande tradição do ordoliberalismo do país.

E os ganhos que o SPD vier a obter na sua negociação política serão apenas para consumo interno: eventualmente um maior orçamento social, e talvez a adopção de um salário mínimo (que a Alemanha não tem).

"Europa" continuará a ser uma competência exclusiva da chanceler – uma pasta que ela ocupa de forma relutante e sempre da mesma forma cautelosa e apenas reactiva, com os resultados que todos conhecemos, ou seja, uma animosidade crescente entre todos os países europeus que a médio prazo levará à deriva totalitária do projecto da UE. Nessa altura todos perderemos, e a Alemanha mais que todos. A menos que algo mude, e ainda assim...

"O Leopardo" termina com a ruína ou morte de todos os seus personagens. 

Hugo Guedes