Escolha as suas informações

OPINIÃO: Mais sonambulismo
Mundo 3 min. 15.05.2015 Do nosso arquivo online

OPINIÃO: Mais sonambulismo

OPINIÃO: Mais sonambulismo

AFP
Mundo 3 min. 15.05.2015 Do nosso arquivo online

OPINIÃO: Mais sonambulismo

NA RUA DA GRANDE CIDADE, POR HUGO GUEDES - Escrito por um historiador britânico, “Os Sonâmbulos” é um trabalho de investigação notável sobre os anos que conduziram ao Verão de 1914 e a catastrófica Grande Guerra. A tese central do livro de Chris Clark – que ensina História europeia moderna em Cambridge – é que os principais actores políticos da época, desde o kaiser Guilherme ao rei de Inglaterra, passando pelo czar das Rússias ou o presidente francês, se depararam muitas vezes com sentimentos de “inevitabilidade”.

NA RUA DA GRANDE CIDADE, POR HUGO GUEDES - Escrito por um historiador britânico, “Os Sonâmbulos” é um trabalho de investigação notável sobre os anos que conduziram ao Verão de 1914 e a catastrófica Grande Guerra. A tese central do livro de Chris Clark – que ensina História europeia moderna em Cambridge – é que os principais actores políticos da época, desde o kaiser Guilherme ao rei de Inglaterra, passando pelo czar das Rússias ou o presidente francês, se depararam muitas vezes com sentimentos de “inevitabilidade”.

Ou seja, que considerando as acções de todos os outros, a sua reacção só poderia ser uma, e essa significava mais um pequeno passo em direcção ao abismo. Todos os passos somados levariam à queda – de repente, os sonâmbulos acordaram e a Europa estava em guerra total.

Perante os nossos cansados olhos, um processo similar desenrola-se neste momento (esperemos que com consequências menos trágicas) no que respeita à relação do Reino Unido com a família europeia.

Na passada sexta-feira de manhã, a Europa acordou com os resultados bombásticos das eleições britânicas: os conservadores chegaram à maioria absoluta. Como o partido do primeiro-ministro Cameron, numa deriva cada vez mais eurocéptica, tinha prometido referendar a continuação do país na União Europeia se continuasse no poder (num dos tais “pequenos passos” que, de promessa eleitoral, passa a profecia que se auto-realiza), vamos ter direito a uma consulta ao povo em 2017 (ou mesmo já em 2016). O Reino Unido fica dentro ou fora da Europa?

Mesmo após o referendo, esta não é uma pergunta de branco ou preto, há muitas zonas de cinzento. Desde logo porque se pode argumentar que nunca – sobretudo com o actual primeiro-ministro – o país esteve realmente dentro da Europa, o que aliás provoca a situação paradoxal em que David Cameron se encontra: quer “reformar a União Europeia” e “renegociar a situação do Reino Unido na UE”, mas nunca teve tão poucos amigos, ou tão pouca influência, como actualmente. O que torna a sua tarefa numa quadratura do círculo: terá de apresentar propostas que agradem aos seus correligionários de partido, cada vez mais radicais; a um eleitorado cada vez mais simplista e nacionalista, a quem prometeu um referendo; e a uns parceiros europeus de paciência esgotada (não por acaso, a mensagem de parabéns de Juncker a Cameron na sexta-feira terá sido uma das cartas mais curtas de sempre).

Essa negociação impossível não vai resultar, logo a pergunta será colocada: sim ou não à Europa? Alguns amigos britânicos que trabalham em política professam-me a sua esperança em que o bom-senso venha a prevalecer, e lançam os seus argumentos: os conservadores, no fundo, apenas obtiveram 37% dos votos expressos; perante uma alternativa clara à Europa, os britânicos, que bem no fundo se sentem europeus, votarão sim; e claro, o pragmatismo ajudará muito (3 milhões de empregos, 25 mil empresas e muitos milhões de milhões de libras dependem do mercado único e do facto de Londres ser uma capital europeia).

São ilusões. Neste momento, não há vitória possível para o “sim”; o referendo será sobre matérias mais emocionais – e totalmente falaciosas – como “mais soberania”, desconfiança em relação a Bruxelas, o facto de o país ser uma ilha, etc. Enquanto sabemos o que o “sim” significa, não sabemos bem o que o “não” quererá dizer, mas isso é precisamente um trunfo para esse campo, que aglutinará tudo – desde o voto de protesto contra o sistema, como o nacionalismo radical, como aqueles que querem ser uma segunda Suíça… O “não” vai vencer a votação.

A Europa precisa e vai ter saudades do Reino Unido. Este, curiosamente, vai ter menos saudades da Europa, mas perderá muito mais com a separação. Os sonâmbulos estão outra vez a caminhar para o abismo.


Notícias relacionadas

Brexit: David Cameron anuncia demissão
O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou hoje a intenção de se demitir em Outubro, na sequência do referendo em que os britânicos decidiram pela saída do Reino Unido da União Europeia.
Britain's Prime Minister David Cameron leaves Number 10 Downing Street with his wife Samantha, to speak after Britain voted to leave the European Union, in London, Britain June 24, 2016.    REUTERS/Phil Noble