Escolha as suas informações

Mais de 140 países em todo o mundo condenam anexações russas
Mundo 4 13.10.2022
Guerra na Ucrânia

Mais de 140 países em todo o mundo condenam anexações russas

Guerra na Ucrânia

Mais de 140 países em todo o mundo condenam anexações russas

Foto: Ed Jones/AFP
Mundo 4 13.10.2022
Guerra na Ucrânia

Mais de 140 países em todo o mundo condenam anexações russas

Lusa
Lusa
Resolução adotada pela ONU pede que o regime de Moscovo reverta a anexação de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia.

A Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) aprovou na quarta-feira, com uma esmagadora maioria de 143 votos, uma resolução que condena a anexação de territórios ucranianos pela Rússia, reforçando o isolamento de Moscovo na panorama internacional.

O projeto de resolução, elaborado pela União Europeia e copatrocinado por dezenas de países de vários continentes, obteve 143 votos a favor, cinco contra e 35 abstenções.

"A ONU não tolerará tentativas de anexação pela força", disse a embaixadora norte-americana junto à ONU, Linda Thomas Greenfield, minutos antes da votação.

Já o embaixador russo na ONU, Vasily Nebenzya, insistiu que o seu país está a atuar na Ucrânia em defesa de uma população e que os referendos, e consequente anexação, tiveram o apoio da população local.

Além de exigir que a Rússia reverta a anexação de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, a resolução declara que as ações de Moscovo violam a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e são inconsistentes com os princípios da Carta da ONU.

A resolução condena claramente os "chamados referendos ilegais" da Rússia e a "tentativa de anexação ilegal" e diz que são inválidos sob o direito internacional.

O texto também inclui linguagem de apoio à redução do conflito e promove a resolução do mesmo através de "diálogo político, negociação, mediação e outros meios pacíficos", com respeito às fronteiras internacionalmente reconhecidas da Ucrânia e de acordo com os princípios da Carta das Nações Unidas.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.