Escolha as suas informações

OMS: Malária mata menos 30% do que há cinco anos mas ainda morrem 429 mil/ano
Mundo 3 min. 13.12.2016 Do nosso arquivo online

OMS: Malária mata menos 30% do que há cinco anos mas ainda morrem 429 mil/ano

OMS: Malária mata menos 30% do que há cinco anos mas ainda morrem 429 mil/ano

Foto: AP
Mundo 3 min. 13.12.2016 Do nosso arquivo online

OMS: Malária mata menos 30% do que há cinco anos mas ainda morrem 429 mil/ano

Publicado anualmente pela OMS, o relatório de 2016 conclui que a taxa de mortalidade por malária caiu quase 30% desde 2010, mas em 2015 ainda morreram no mundo 429 mil pessoas devido à doença.

Publicado anualmente pela OMS, o relatório de 2016 conclui que a taxa de mortalidade por malária caiu quase 30% desde 2010, mas em 2015 ainda morreram no mundo 429 mil pessoas devido à doença.

Segundo o relatório, cerca de 75% das mortes por malária em 2015 concentraram-se em 13 países, a maioria na África Subsaariana.

O país com maior peso nas mortes por malária é a Nigéria, que reúne 26% do total de mortes, seguido da República Democrática do Congo, com 10%.

A Índia, com 6%, o Mali com 5%, a Tanzânia e Moçambique com 4% cada, o Burquina Faso, Angola, Costa do Marfim, Gana, Uganda e Quénia (3% cada), e o Níger, são os restantes 11 países.

Taxa de mortalidade por malária na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa 

Moçambique e Angola estão entre os oito países com mais mortes por malária no mundo, representando juntos 7% do peso global da doença, revela hoje o relatório anual da Organização Mundial de Saúde sobre o paludismo.  

Enquanto que Cabo Verde e Timor-Leste destacam-se pela positiva, sendo dos que têm menos casos e mortes por malária: Cabo Verde terá tido menos de 50 casos e menos de 10 mortos em 2015 (contra 140 mortos e menos de 10 mortos em 2010), enquanto Timor-Leste terá registado 120 casos e menos de 10 mortos em 2015 (contra 110 mil casos e 220 mortos em 2010).

Cabo Verde é ainda destacado como um dos três países do mundo (juntamente com a Zâmbia e o Zimbabué) onde mais de 80% da população em risco dorme protegida por redes mosquiteiras ou vaporização residual.

Já em abril deste ano, a OMS incluía Cabo Verde e Timor-Leste num lote de 21 países em condições de eliminar o paludismo nos próximos cinco anos.

Nessa ocasião, a agência das Nações Unidas para a saúde, sediada em Genebra, referia-se também a São Tomé e Príncipe.

Os autores escreviam que se esperava que o país eliminasse a malária até 2025, mas admitiam que, com o financiamento adequado e vontade política, essa meta poderia ainda ser alcançada até 2020.

Hoje, o Relatório sobre a Malária 2016 estima que o arquipélago lusófono tenha registado 3.400 casos e menos de 100 mortos em 2015, contra 4.900 casos e menos de 100 mortos em 2010.

Na Guiné Equatorial, país que em 2014 aderiu à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o número estimado de novos casos subiu de 150 mil, em 2010, para 180 mil, em 2015, enquanto o total estimado de mortos se manteve nos 340.

Já quanto à Guiné-Bissau, os autores do relatório estimam que o número de novos casos tenha caído (de 170 mil para 160 mil), mas que o número de mortos tenha aumentado (de 670 para 680 nos últimos 10 anos).

No Brasil, estima o relatório, a quantidade de novos casos caiu de 440 mil para 180 mil entre 2010 e 2015, enquanto o número de mortos diminuiu de 98 para menos de 50 no mesmo período.

Ao contrário dos países africanos, onde a malária é maioritariamente provocada pelo parasita mais mortífero (Plasmodium falciparum), no Brasil, mais de 80% dos casos são causados pelo Plasmodium vivax, que provoca uma versão mais suave da doença, transmitido aos seres humanos através da picada de uma fêmea do mosquito Anopheles.

Existem várias espécies, mas o Plasmodium falciparum é o mais perigoso para os humanos e o mais prevalente em África, onde se concentram 90% das mortes pela doença.

Os primeiros sintomas da malária são febre, dores de cabeça e vómitos e aparecem entre 10 e 15 dias depois da picada do mosquito, mas se não for tratada, a malária por P. falciparum pode progredir para uma fase grave e acabar por matar.

O combate à doença passa por uma diversidade de estratégias, que passam pela prevenção, através do uso de redes mosquiteiras impregnadas de inseticida e pulverização do domicílio, assim como pelo diagnóstico e tratamento dos casos confirmados com medicamentos anti-maláricos.

Ainda não existe qualquer vacina para a doença, mas a OMS anunciou no mês passado que a primeira vacina contra a doença será lançada em 2018 na África Subsaariana.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas