Escolha as suas informações

OMS conclui missão preparatória sobre origem da doença na China
Mundo 03.08.2020

OMS conclui missão preparatória sobre origem da doença na China

OMS conclui missão preparatória sobre origem da doença na China

AFP
Mundo 03.08.2020

OMS conclui missão preparatória sobre origem da doença na China

Lusa
Lusa
A agência de Saúde vai tentar desvendar a "potencial fonte de infeção" detetados em Wuhan, praticamente 10 meses depois dos primeiros casos diagnosticados.

A missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) na China concluiu o trabalho preparatório da investigação sobre a origem do SARS CoV-2, anunciou a agência da ONU para a saúde.

"A equipa avançada da OMS que foi enviada à China acabou de concluir a missão que consistiu em lançar as bases para esforços conjuntos para identificar o vírus", disse o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

O diretor-geral acrescentou que os "estudos epidemiológicos vão começar em Whuan (República Popular da China) para identificar a fonte potencial de infeção dos primeiros casos" detetados. 

 A Organização Mundial da Saúde alertou ainda que "talvez" nunca venha a existir "uma panaceia" contra a pandemia de covid-19, apesar das investigações em curso que procuram conseguir uma vacina contra a doença. 

"Não há nenhuma 'panaceia' e talvez não exista nunca", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus na mesma conferência de imprensa que decorre através da internet.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 685 mil mortos e infetou mais de 18 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.738 pessoas das 51.463 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas