Escolha as suas informações

Omicron torna estratégia chinesa de 'zero casos' "insustentável", diz OMS
Mundo 2 min. 18.05.2022
Pandemia

Omicron torna estratégia chinesa de 'zero casos' "insustentável", diz OMS

Pandemia

Omicron torna estratégia chinesa de 'zero casos' "insustentável", diz OMS

Foto: AFP
Mundo 2 min. 18.05.2022
Pandemia

Omicron torna estratégia chinesa de 'zero casos' "insustentável", diz OMS

Lusa
Lusa
Tedros Adhanom Ghebreyesus lembra que o vírus mudou significativamente desde que foi identificado pela primeira vez e que a organização aconselhou repetidamente as autoridades chinesas sobre estratégias de contenção, mas que cabe a cada país escolher a política a seguir.

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, voltou esta quarta-feira a dizer que a abordagem extrema da China para conter a covid-19 é "insustentável", devido à natureza altamente infecciosa da variante Omicron.

Em conferência de imprensa, Tedros descreveu a estratégia de 'zero covid' da China como "insustentável", depois de o país asiático ter criticado comentários semelhantes, feitos na semana passada.


A China tem mantido uma abordagem de testagem massiva aos seus residentes para travar o vírus
China censura críticas da OMS sobre política "covid zero"
"É muito importante passar para uma estratégia diferente", sublinhou o diretor-geral da OMS.

"Conhecemos melhor o vírus e temos melhores ferramentas, incluindo vacinas, por isso a gestão do vírus deve ser diferente do que o que foi feito no início da pandemia", disse.

O responsável acrescentou que o vírus mudou significativamente desde que foi identificado pela primeira vez, na cidade chinesa de Wuhan, no final de 2019. A China interrompeu então a sua propagação através de medidas de confinamento.

Tedros revelou que a OMS aconselhou repetidamente as autoridades chinesas sobre estratégias de contenção, mas que cabe a cada país escolher a política a seguir.

O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, disse que a agência reconhece que a China enfrenta uma situação difícil e elogiou as autoridades por manter o número de mortes num nível muito baixo.

"Entendemos que a resposta inicial da China foi tentar suprimir as infeções ao máximo, mas essa estratégia não é sustentável e outros elementos precisam de ser amplificados", apontou.


Xangai
China regista 32 mortos em Xangai e 865 novos casos
A cidade de 25 milhões de habitantes tem estado sob rigorosas medidas de contenção há cerca de um mês. Desde o final de fevereiro já foram registadas 454 mortes.

Ryan acrescentou que os esforços de vacinação devem continuar e enfatizou que uma "estratégia apenas de supressão não é uma forma sustentável de sair da pandemia para nenhum país".

A implementação implacável e muitas vezes caótica da política de 'zero casos' gerou uma crise em Xangai, a maior cidade da China, onde 25 milhões de pessoas estão há seis semanas proibidas de sair de casa.

A política chinesa obriga ao isolamento de todos os casos positivos, incluindo os assintomáticos, em centros de quarentena. Trata-se sobretudo de instalações improvisadas, com as camas distribuídas num espaço comum, sem chuveiros, e com uma casa de banho para centenas ou até milhares de pessoas.

O abrupto encerramento dos serviços na "capital" económica da China e as ordens para a população ficar em casa criaram também dificuldades no acesso a alimentos e medicamentos.

Várias outras cidades chinesas foram afetadas por medidas parciais ou totais de confinamento este ano.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Os especialistas da Organização Mundial de Saúde dizem que nunca viram nada assim. A forma como a China combateu o novo coronavírus é um exemplo a seguir pelos países ocidentais e apontam cinco estratégias que foram usadas por Pequim e que são fundamentais.