Escolha as suas informações

Obama diz que EUA devem "recuperar uma certa sanidade" nas próximas eleições

Obama diz que EUA devem "recuperar uma certa sanidade" nas próximas eleições

Foto: AFP
Mundo 2 min. 09.09.2018

Obama diz que EUA devem "recuperar uma certa sanidade" nas próximas eleições

O ex-Presidente dos Estados Unidos Barack Obama (2009-2017) aproveitou a sua segunda intervenção pública em dois dias para apelar ao voto dos democratas nas eleições de novembro para se "recuperar uma certa sanidade" no país.

"Quando há um vazio em nossa democracia, outras vozes preenchem essa lacuna, mas a boa notícia é que em dois meses temos a oportunidade de restaurar uma certa sanidade no nosso sistema político", disse Obama durante numa ação de campanha realizada no sábado na cidade californiana de Anaheim.

Foto: AFP

O ex-Presidente dos Estados Unidos enfatizou a importância de participar das eleições para recuperar a maioria no Congresso norte-americano, o que prejudicaria enormemente o espaço de manobra do atual Presidente, Donald Trump.

"Este é um momento chave em nossa história e a realidade é que, se não dermos um passo em frente, as coisas podem piorar", alertou Obama perante as quase 750 pessoas que se reuniram para ouvir seu discurso naquele que foi o seu primeiro ato oficial na campanha pelo Partido Democrata.

Na sexta-feira, Obama tinha criticado o silêncio dos republicanos sobre os excessos do seu sucessor, Donald Trump, num discurso inflamado que visou mobilizar os democratas para as eleições de novembro.

"O que aconteceu com o Partido Republicano?", questionou Obama, numa intervenção perante milhares de estudantes na Universidade de Ilinóis, criticando os eleitos que se refugiam em "declarações vagas de desaprovação quando o Presidente faz qualquer coisa de escandaloso".

Barack Obama referiu-se, então, pela primeira vez, desde que saiu da Casa Branca, ao Presidente norte-americano, Donald Trump, chamando-o pelo seu nome.

"A maior ameaça para a nossa democracia não é Donald Trump (...), é a indiferença, o cinismo", afirmou, num discurso muito aplaudido.

Na sua intervenção, o ex-Presidente dos Estados Unidos criticou os ataques repetidos do seu sucessor contra a independência da justiça e a liberdade de imprensa, e também apelou ao voto nas legislativas de novembro.

"Nesta escuridão política vejo um despertar de cidadãos em todo o país", disse Barack Obama, assinalando que "o que está em jogo" nas próximas eleições "é muito maior" do que qualquer rivalidade política.

Reagindo ao discurso de Obama, Donald Trump assumiu que adormeceu ao ouvi-lo falar sobre o atual clima político.

"Ouvi-o, mas adormeci. Descobri que ele [Barack Obama] é muito bom para dormir", ironizou Trump, numa ação de campanha no estado do Dakota do Norte.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas