Escolha as suas informações

O juiz que prendeu Lula dá parabéns a Bolsonaro
Mundo 2 min. 29.10.2018

O juiz que prendeu Lula dá parabéns a Bolsonaro

O juiz que prendeu Lula dá parabéns a Bolsonaro

Foto: AFP
Mundo 2 min. 29.10.2018

O juiz que prendeu Lula dá parabéns a Bolsonaro

O juiz Sérgio Moro que instruiu o processo de Lula e depois o colocou na prisão em tempo recorde, impedindo-o de poder concorrer às eleições, desejou uma excelente presidência ao eleito da extrema-direita. Recorde-se que o procurador que lançou a Lava Jato, Rodrigo Janot, e o homem que teve à frente do processo Mensalão, que condenou dirigentes do PT, Joaquim Barbosa apoiaram nos últimos dias o candidato do PT, Haddad.

O juiz federal brasileiro Sérgio Moro, responsável pela prisão do ex-Presidente Lula da Silva, felicitou segunda-feira Jair Bolsonaro pela sua vitória nas eleições presidenciais e defendeu a necessidade de reformas na economia e administração pública.

“Encerradas as eleições, cabe congratular o Presidente eleito e desejar que faça um bom Governo”, disse Sérgio Moro, responsável pela operação Lava Jato, citado pelo jornal brasileiro O Estado de São Paulo.

Na sua mensagem, o juiz brasileiro defende que “são importantes, com diálogo e tolerância, reformas para recuperar a economia e a integridade da administração pública, assim resgatando a confiança da população na classe política”.

Sérgio Moro condenou Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção e lavagem de dinheiro, em primeira instância, no âmbito dos casos de corrupção da Petrobras.

O ex-Presidente, preso desde abril, é acusado de ter recebido um apartamento no litoral de São Paulo como pagamento de ‘luvas’ da construtora OAS para favorecer a empresa em contratos com a Petrobras.

O ex-líder do Partido dos Trabalhadores (PT) fora condenado por Sergio Moro na primeira instância a oito anos e seis meses em junho do ano passado e viu confirmada a sua sentença em janeiro passado por três juízes de segunda instância – da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4), que também aumentaram a pena para doze anos e um mês de prisão.

Na altura da sua prisão, Lula da Silva era o grande favorito à Presidência do Brasil em todas as sondagens.

Recorde-se que o procurador que lançou a Lava Jato, Rodrigo Janot, e o homem que teve à frente do processo Mensalão, que condenou dirigentes do PT, Joaquim Barbosa apoiaram nos últimos dias o candidato do PT, Haddad.

O candidato do Partido Social Liberal (PSL, extrema-direita) Jair Messias Bolsonaro, 63 anos, capitão do Exército reformado, foi eleito no domingo, na segunda volta das eleições presidenciais, o 38.º Presidente da República Federativa do Brasil, com 55,1% dos votos.

De acordo com os dados do Supremo Tribunal Eleitoral, Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT, esquerda), conquistou 44,9% dos votos, com o escrutínio provisório (99,99% das urnas apuradas) a apontar para 21% de abstenção do total de eleitores inscritos (mais de 147,3 milhões).

Numa declaração à porta de sua casa, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, ainda no domingo, o Presidente eleito prometeu que o seu Governo “será um defensor da Constituição, da democracia e da liberdade”.

“Este é um país de todo nós, brasileiros natos ou de coração, de diversas opiniões, cores e orientações”, disse Jair Bolsonaro.

O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou no domingo uma "mensagem de felicitações" a Jair Bolsonaro, na qual se referiu aos "laços de fraternidade" bilaterais e à "significativa comunidade de portugueses e lusodescendentes residentes no Brasil, bem como à cada vez mais importante comunidade brasileira” em Portugal.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Brasil. A acalmia antes da guerra
Ninguém sabe para onde se dirige o Brasil. O candidato da extrema-direita prometeu uma mudança profunda que passa por combater o crime e a corrupção e dar segurança aos habitantes das cidades. Na carteira tem as privatizações e a diminuição dos apoios da Segurança Social.
PSD quer que Portugal mantenha "ótimas relações" com Bolsonaro
"Ganhasse quem ganhasse, Haddad ou Bolsonaro, Portugal deve manter ótimas relações com o Estado brasileiro, independentemente de quem é o seu Presidente", defendeu o dirigente do PSD Tiago Moreira de Sá. "Portugal tem de ter uma boa relação com a atual presidência do Brasil", acrescentou o professor universitário, doutorado em História das Relações Internacionais.
TOPSHOT - Jair Bolsonaro, far-right lawmaker and presidential candidate for the Social Liberal Party (PSL), gestures to supporters during the second round of the presidential elections, in Rio de Janeiro, Brazil on October 28, 2018. - Brazilians will choose their president today during the second round of the national elections between the far-right firebrand Jair Bolsonaro and leftist Fernando Haddad (Photo by MAURO PIMENTEL / AFP)